quinta-feira, 30 de junho de 2011

ADN da merda

Notícia do Expresso:

Moradores da Florida vão usar ADN canino para multar quem não recolhe dejetos
Uma associação de moradores de um bairro da Florida decidiu que irá começar a realizar provas de ADN às fezes caninas que encontrar na rua para identificar os donos que não recolhem os dejetos.
Lusa
9:41 Quinta feira, 30 de junho de 2011

(...)
De acordo com a edição eletrónica de quarta feira do jornal norte-americano "The Palm Beach Post", a partir de agosto os moradores de um condomínio de vivendas na Florida vai pagar 200 dólares (18 euros) à empresa DNA Pet World Registry para que arquive a informação genética dos cães, que passarão a levar uma coleira com a identificação.
Uma vez armazenada a informação, as amostras de excrementos encontrados no bairro serão enviadas para o laboratório da empresa para serem analisadas, e os infratores incorrem numa multa que pode chegar aos mil dólares (690 euros).
(...)


Palm Beach é uma ilha estreita e comprida na costa oriental da Florida, a cerca de uma hora de carro a norte de Miami, onde têm casa os super-ricos americanos como Donald Trump, pontifica o famosíssimo hotel The Breakers com o seu campo de golfe, e as lojas mais exclusivas se expõem ao longo da Worth Avenue.

(Mar-a-Lago, Palm Beach, Dezembro 1996)


(Casa Nana, Palm Beach, Dezembro 1996)


Por um momento pensei que se tratava de usar uma biotecnologia de ponta, muito cool, para provar que os cãezinhos não deixam cocó à porta do tio Don quando a criada cubana os leva à rua, mas afinal a notícia refere-se a um bairro de West Palm Beach, que é a localidade em frente, atravessando a ponte para o continente, e onde vivem as pessoas que trabalham nas casas, nos hoteis e nas lojas de Palm Beach.

Cheira-me que os primeiros voluntários a pagar os 200 dólares (que não são o mesmo que 18 euros, corrijam lá a gralha, s.f.f) serão os donos que já apanham o cocó dos cães.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Está calor

Eu ia pôr isto ali em baixo em jeito de resposta aos comentários, mas afinal fica aqui como post: é que, tendo lido o memorando de entendimento* e estando agora a desbravar o Portugal na Hora da Verdade, já não tenho paciência para as cinquenta e nove páginas do programa do governo**. Quem tiver, faça o favor de resumir as partes importantes.

* que pode ser encontrado aqui na versão portuguesa proposta pelo Aventar.

** aqui em pdf, mais fácil de ler, embora sejam cento e vinte e nove páginas (obrigada, A Voz da Abita).

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Os carros mais bonitos Parte VII

Ainda não tinha aqui referido os Mercedes SL descapotáveis, desde o celebérrimo Gullwing, definido pelas portas que abriam para cima

Imagem daqui


à versão de linhas direitas e motor V8 dos anos 80, e ao SL actual que, mesmo na versão bebé (SLK), alia a elegância do desenho ao ar de brinquedo apetitoso:

(Carvoeiro, Outubro 2010)


(Tem é uma suspensão duríssima que, aliada às nossas estradas, já deu cabo das costas de muita gente).

A Mercedes está a celebrar este Verão o seu 125º aniversário, com exposições e eventos na Alemanha.

sábado, 25 de junho de 2011

Falemos então do novo governo

Pode ser ingenuidade minha, mas também tenho alguma esperança neste governo: não tanto que consiga salvar a Pátria, o que me parece quase uma missão impossível, mas que consiga limpar alguma da porcaria existente.
Concordo ainda com a Ana Vidal: mesmo essa será uma tarefa hercúlea. Até sei qual: o quinto trabalho de Hércules foi ter de limpar os estábulos do rei Augeas. Para isso, Hércules desviou o curso de um rio. Para moralizar a administração pública, é preciso trabalhar mais em jeito que em força, mas é preciso a coragem dos imortais.

Em alguns casos conhecemos até os planos da pólvora: por exemplo, o ministro da Economia, além do seu blogue activo desde 2007 tem vários livros escritos sobre a economia nacional, sendo o mais recente já deste ano e com propostas de solução.

Este pessoal parece-me bem intencionado. Não duvido que o Álvaro, por exemplo, queira pôr ordem nos organismos públicos e nas PPPs; só desejo que consiga fazê-lo no meio do emaranhado legal em que este país se enredou.

E não é a burocracia, não é a corrupção: é a indolência de um povo que, após o primeiro sobressalto de esperança, volta ao doce remanso, ao medíocre encolher de ombros. Estamos todos velhos, dizemos, deixemos outros navegar.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Cartaz

(Porto Santo, Junho 2011)


Vi este cartaz à entrada de uma obra, e fiquei com vontade de o pendurar à entrada deste blogue. Ou do meu perfil no Facebook. Ou da sede do Bloco de Esquerda. Ou da sede do Partido Socialista. Ou do ministério da Saúde antes de lá chegar o novo ministro. Ou do meu gabinete de consultas.

Mas como já me têm chamado excêntrica, mesmo sem ter ganho o Euromilhões, ainda podia acontecer barrarem-me a entrada a mim.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Não é ilusionista quem quer

Notícia d'El País (obrigada, Paulo):

La policía recupera en Milán algunas joyas de Evita Perón
Valoradas en seis millones de euros, habían sido robadas a unos joyeros valencianos en 2009
MIGUEL MORA | Roma 22/06/2011
(...)
Según la reconstrucción policial, las joyas estaban desaparecidas desde diciembre de 2009, después de que se expusieran en sendas ferias del lujo celebradas en Marbella y en Valencia. En aquel momento, las tenía en custodia la conocida joyería valenciana Sofía Joyeros, cuyos dueños negociaron durante algunos meses la venta de las alhajas con unos supuestos jeques árabes.
En realidad, los millonarios resultaron ser unos estafadores profesionales, una banda de siete serbo-croatas(...)
El día de la entrega de las joyas, los falsos jeques (...) pusieron el dinero legal para pagar la transacción sobre un gran escritorio, la pieza clave del timo: debajo se escondía uno de los estafadores. Cuando el joyero guardara el dinero real en el cajón, el compinche metido en el mueble debía aprovechar para cambiarlo por billetes falsos.
(...)

Isto é muito engraçado. Quase uma cena de Ocean's Eleven, só que o comparsa debaixo da secretária era desajeitado, os joalheiros desconfiaram, a coisa correu mal, tornou-se um assalto banal... Hoje as jóias foram recuperadas, tanto melhor.

Para a próxima, treinem as mãozinhas com o Luís de Matos, vá.

Contrastes

O novo:

(Porto Santo, Junho 2011)


O antigo:

(Porto Santo, Junho 2011)

Papoilas na Madeira


Papaver laciniatum
(Palheiro Ferreiro, Junho 2011)

Árvores na Madeira

Lindo e tranquilo, o tulipeiro do Gabão:

Spathodea campanulata

(Funchal, Junho 2011)


Este plátano cresceu irresistivelmente:

Platanus orientalis?

(Palheiro Ferreiro, Junho 2011)


Enquanto esta Criptoméria foi quase desenraizada pela tempestade de Fevereiro de 2011:

Cryptomeria Japonica

(Palheiro Ferreiro, Junho 2011)

domingo, 12 de junho de 2011

Os holandeses também gostam de verde

E as flores, então? Pois as flores, vendem-nas ;-)

(Amsterdam, Maio 2011)

Os holandeses também gostam de praia

Ah pois gostam. Não gostam é de tempestades de areia. Nem eu.

(Scheveningen, Maio 2011)

Os holandeses também gostam de ópera

Não é que duvidasse. Lá, como noutros países, as transmissões do Met passam nos cinemas.

(Den Haag, Maio 2011)

O museu que falhou

Não visitei a casa-museu de Anne Frank. Há limites para a minha paciência.

Sardinhas

Em Lisboa, este fim de semana, não se aguentava o cheiro de sardinhas assadas.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Tartarugas

Entretanto, no Algarve as tartarugas passeiam-se pelos campos de golfe :-)

(Balaia Golf, Albufeira, Junho 2011)

Andorinhas

No Alentejo, as andorinhas fazem ninhos nas estações de serviço (vulgo bombas de gasolina).
Alguns têm vários andares - ou serão condomínios fechados? :-)

(A2, Alentejo, Junho 2011)

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Museus na Holanda

Mas não só de Louvre vive o homem (ou a mulher, no caso), e como não encontrei Vermeer em Paris fui procurá-lo à Holanda.

Na Mauritshuis em Haia há três quadros dele, entre os quais o maravilhoso Rapariga do Brinco de Pérola. No Rijksmuseum em Amsterdam há quatro. Alguns deles estiveram em Washington três anos atrás.

Adoro Vermeer pela composição, pela luz, pelo detalhe mas sobretudo pelas áreas coloridas. Por outro lado o que me maravilha em Rembrandt é o modo como usa uma ou duas pinceladas mínimas de branco para obter brilho e tridimensionalidade.

Rembrandt pontifica tanto no Rijksmuseum como na Mauritshuis, mas a peregrinação também me levou à Rembrandthuis, a casa que habitou e que foi restaurada e mobilada com base no inventário feito quando foi declarado insolvente.

(Amsterdam, Maio 2011)


No meio de toda esta azáfama, não deixei de visitar em Haia o museu Escher e de me perder nos labirintos e nas espirais impossíveis dos seus desenhos, e em Amsterdam o Van Gogh, que há tantos anos foi o meu primeiro encontro com um museu moderno, claro e aberto.

A beleza no mundo é o que me dá felicidade, e isso inclui a beleza criada por mentes e mãos humanas. Os nossos dirigentes, atrapalhados com o betão, o desemprego, os hedge funds e os défices comerciais, tendem a considerar a cultura supérflua. Ainda agora o governador do estado de Kansas cancelou todos os subsídios estaduais para as artes. E no entanto parece-me que não é pelos pepinos que valemos, nem pelos carros, nem sequer pelas praias ou pela cerveja, mas que aquilo que nos faz únicos e admiráveis é a arte que criámos ao longo de milénios.

Promotor comercial

Notícia do Sol (ouvida na Antena2 esta manhã):

Dilma oferece emprego a Sócrates
por José António Lima
9 de Junho, 2011
José Sócrates poderá assumir, em breve, a função de representante de várias empresas brasileiras de topo para Portugal e toda a União Europeia – apurou o SOL junto de fontes próximas do Governo brasileiro.
A proposta e o convite foram intermediados pelo ex-Presidente Lula e pela actual Presidente Dilma Rousseff, ambos com estreitas ligações pessoais e políticas a Sócrates. (...)


Eu não dizia que o futuro do homem estava assegurado nas vendas?

terça-feira, 7 de junho de 2011

Museu do Louvre

O outro grande objectivo da viagem de Maio era visitar, ou revisitar, alguns museus.

Depois do martírio que é tentar entrar em certos museus italianos, preparava-me para o pior no Louvre, onde já não ia havia alguns anos. Foi uma excelente surpresa, porque a fila para o controle de segurança é rápida, dentro da pirâmide há inúmeras bilheteiras em self-service e o balcão de informações tem os mapas necessários para a dolorosa escolha das áreas a visitar num tempo inevitavelmente limitado.

Fotografar sem flash é permitido; infelizmente muitos quadros estão protegidos por vidro e é difícil conseguir uma foto decente sem reflexo - e, em certos casos, sem gente à frente.

(Paris, Maio 2011)


Como Mary Beard já tinha escrito, há uma nova arrumação na arte greco-romana, com duas ou mais versões romanas de estátuas originais gregas lado a lado. Na pintura, a Mona Lisa está agora sozinha numa parede, e em frente, imenso, As Bodas de Caná de Veronese. Rubens continua a iluminar toda uma sala, mas há dele mais quadros dispersos. É preciso procurar Rembrandt para o encontrar: o museu tem tantas peças fantásticas que raramente exalta alguma delas, e não encontrei o Vermeer.

Fiquei invejosíssima dos pintores que ali têm autorização para copiar os grandes mestres, ainda que tenham de o fazer no meio da multidão.

(Paris, Maio 2011)

Escherichia Coli Parte II

Escherichia ou Beatriz, que importa o nome
Se ambos me soam igualmente belos?
A prometida morte nos consome
Como flor prometida nos carpelos.

Assim tu, Escherichia, és meu tormento
E nocturno tremor, Beatriz funérea!
Quem nasceu para casto fingimento
Afinal pode amar uma bactéria.


Vitorino Nemésio, Limite de idade, Lisboa, 1972

Escherichia Coli

Notícia do Expresso:

E.coli: número de mortes na Alemanha sobe para 22
O número de mortes na Alemanha devido ao surto de E.coli subiu para 22, anunciou hoje o Instituto Robert Koch de Berlim.
Lusa
7:59 Terça feira, 7 de junho de 2011

(...)
Com a origem ainda por identificar, mais de 2.000 pessoas na Alemanha foram afetadas pelo surto de E.coli, 22 das quais morreram.
(...)


Em vez de atirarem para o ar suspeitas sobre os pepinos espanhóis, os rebentos de soja ou outras saladas, talvez fosse bom os alemães investigarem possíveis anomalias pontuais no abastecimento de água à(s) localidade(s) envolvida(s).

segunda-feira, 6 de junho de 2011

O cérebro de Darcy

Notícia de The Globe and Mail:

That’s Dr. Darcy to you: The medical insights of Colin Firth
STAFF
From Monday's Globe and Mail
Published Sunday, Jun. 05, 2011 10:11PM EDT
Last updated Sunday, Jun. 05, 2011 10:25PM EDT

Colin Firth can now add brain researcher to his long list of credits.
The Oscar-winning actor was listed as co-author of a study in which researchers predicted they can estimate an individual’s political leanings with 72-per-cent accuracy by examining a subject’s brain structure.
(...)


Lembrei-me dos frenologistas do século XIX, com as suas teorias de que a personalidade de um indivíduo estava determinada pelo volume de certas áreas do seu cérebro.
Sempre houve pensadores a achar que a matéria determina o espírito, em oposição aos que opinam que o espírito tem existência independente. Hoje não procuramos bossas no crânio porque temos acesso às técnicas de imagiologia.

Engraçado que o estudo da actividade elétrica do cérebro não nos tenha dado informações extraordinárias.

Noutra perspectiva, é também engraçado pensar que traços da personalidade humana procuramos relacionar com a anatomia cerebral e assim, talvez, desresponsabilizar-nos por eles: no século XIX a mente criminosa, no século XX a sexualidade, no século XXI as tendências políticas?

Para quem estiver interessado, o artigo referido no jornal está aqui.

domingo, 5 de junho de 2011

Dinossauros voadores

Notícia do Expresso:

Ryanair "agradece" com rosas a greve da TAP
A companhia de aviação low cost Ryanair "agradece" com rosas a greve dos tripulantes da TAP e chama-lhes "dinossauros".
13:44 Sexta feira, 3 de junho de 2011
(...)
"A Ryanair começa a gostar do Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil, que continua a causar incertezas aos passageiros da TAP na época alta do ano, porque agora com esta greve insensata de 10 dias ainda mais passageiros vão preferir as tarifas baixas da Ryanair, sem greves, para viajar este verão", adianta o responsável da empresa, citado no comunicado.
(...)

Imagem de Daderot para Wikipedia


Tivesse a Ryanair* outra política em relação ao transporte de animais domésticos e teria com certeza ainda mais passageiros.



*E a Easyjet, e outras companhias aéreas low-cost (e não só) em que, levando o Jr, não posso voar...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

A Valquíria em Lisboa (ou isso)

Antes de prosseguir com as notas de viagem, volto num instante atrás para comentar a transmissão Met-Gulbenkian da Walküre de Wagner, na véspera da minha partida: foi excelente.

Gostei de tudo, ou quase tudo: da música de Wagner que não me lembrava fosse tão bonita, da voz de mel de Jonas Kaufmann que me levou à beira das lágrimas na cena em que recusa a imortalidade por amor à Sieglinde totalmente credível de Eva-Maria Westbroek, de Bryn Terfel como um deus de pés de barro e de Stephanie Blythe fantástica, em voz e atitude a nagging wife completa, do coro das valquírias perfeitamente afinado, da orquestra e do seu maestro que nos deram um Wagner lírico e arrebatador, e até da máquina de Robert Lepage, com as suas mudanças de cenário simbólicas ou naturalistas, e cujo barulho felizmente a transmissão disfarçou.

A propósito, vale muito a pena ler no blogue Fanáticos da Ópera a comparações entre as récitas ao vivo aqui e aqui e a transmissão video, e no Valkirio os clips que o Paulo descobriu.

Ainda não falei de Deborah Voigt? Pois acho que se saiu lindamente, apesar de um bocadinho de botox a mais aqui e ali.

Ariodante em Paris

Pode-se ir a Paris sem nenhum propósito especial, mas desta vez havia dois, sendo o primeiro ouvir e ver Joyce DiDonato no Ariodante de Handel, em versão de concerto no Théatre des Champs Élysées.

Por muito que me entusiasme com as transmissões Met-Gulbenkian (haja muitas!), é no palco, ao vivo, que se tiram teimas. Não que aqui as houvesse: tendo tido já o privilégio de assistir a uma das primeiras récitas que deram origem ao CD Furore, já sabia que em voz e presença ela é exactamente o que se pede aos deuses.

Confirmou-se: Joyce DiDonato é como um grande vinho: tem corpo, aroma, complexidade, maturidade, equilíbrio. Dos outros cantores, destaco a soprano Karina Gauvin na Ginevra, uma voz doce, cristalina e ágil, e a contralto Marie-Nicole Lemieux que fez um grande Polinesso apesar das palhaçadas em excesso.
O baixo-barítono Matthew Brook no Rei tem uma voz bonita mas que se tornava inaudível nas notas mais graves. À soprano espanhola Sabina Puértolas em Dalinda só faltou um bocadinho de emoção, mas é uma cantora a seguir. O tenor Nicholas Phan em Lurcanio também esteve bem e muito seguro. Quanto a Paolo Borgonovo, o pequeno papel de Odoardo não chega para brilhar, mas não destoou.

Outros já criticaram Il Complesso Barocco e a direcção de Alan Curtis pela sua falta de delicadeza; talvez o maestro temesse que a duração da peça afastasse o público, e optasse por despachar um bocadinho a coisa... O certo é que foi um espectáculo entusiasmante, de tal forma que no final, entre aplausos que não abrandavam, maestro e elenco voltaram à sala para um encore obviamente inesperado.

(Paris, Maio 2011)


Depois, alguns admiradores impenitentes esperaram a saída dos artistas, e a encantadora Joyce autografou-me o CD novinho em folha, comprado na véspera na Fnac dos Champs Élysées.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Prescrever

Notícia do Público:

Proposta é discutida hoje em congresso
Enfermeiros querem poder receitar alguns medicamentos e exames
02.06.2011 - 08:30 Por Alexandra Campos
A Ordem dos Enfermeiros (OE) vai propor ao poder político que os profissionais de enfermagem possam receitar medicamentos, exames complementares de diagnóstico e ajudas técnicas em determinadas circunstâncias, à semelhança do que já acontece em vários países, como Espanha, Estados Unidos e Inglaterra.
(...)
"Se o enfermeiro verifica que a terapêutica de um doente crónico está de acordo com a prescrição médica e não há necessidade de reavaliação do diagnóstico, faz sentido que [o paciente] tenha que ir de novo a uma consulta?", exemplifica a bastonária da OE, Maria Augusta Sousa.
(...)
"Actualmente os enfermeiros já prescrevem medicamentos em situações de emergência; se não o fizerem, até incorrem numa ilegalidade."
(...)
Carlos Sequeira recordou ainda que não são os médicos que normalmente acompanham a evolução das feridas. "Quando estas mudam de estado, se se colocar o produto que o médico tinha prescrito até se pode estar a atentar contra a saúde do doente."


Estou maravilhada com a qualidade da argumentação. Estes enfermeiros parecem partir do princípio que sabem, melhor do que os médicos, quando é que não há necessidade de reavaliação - não do diagnóstico, mas da situação clínica.

Felizmente a maioria dos enfermeiros não prescreve medicamentos em situações de emergência e, em vez disso, contacta um médico.

Quanto ao tratamento das feridas, aqueles que não colocam o produto que o médico tinha prescrito estão a falsear resultados, e o que deveriam fazer, mais uma vez, no caso de mudança de estado, seria contactar o médico, ou mandar-lhe o doente à consulta.

O trabalho dos enfermeiros anda a a ser desvalorizado pelos próprios profissionais com estas atitudes.

Frase de campanha

Que desespero é regressar de férias (impressões de viagem já a seguir) e reencontrar a histeria da campanha eleitoral com os mesmos actores, os mesmos comentadores e as mesmas baboseiras.

A maioria destas é fácil de desmontar, mas há uma que, por burrice ou demagogia, ninguém esclarece: que a intervenção da troika é demonstravelmente desastrosa porque os sacrifícios exigidos aos gregos pioraram a situação dos gregos, cada vez mais longe de honrar os seus compromissos.

Hello? Será tão difícil entender que a situação piora inevitavelmente, pelo menos a curto prazo, precisamente porque antes os gregos viviam acima das suas possibilidades reais e foram chamados à realidade, ou seja a viver dentro dessas possibilidades?

Diz o A. que é como um tratamento anti-droga. A ressaca é atroz, mas sem ela não se perde o vício.