sábado, 1 de agosto de 2015

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Ave Caesar

Parabéns por mais um aniversário.

(Firenze, Setembro 2004)

Este é um retrato menos conhecido, encontrado na Galleria degli Uffizi, que visitei depois de esperar na fila durante horas, quando ainda não sabia que se podiam comprar bilhetes com antecedência.

Também não sabia (obrigada, Twitter!) que Schumann tinha composto uma abertura dedicada a César. Aqui fica:

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Os carros mais bonitos parte IX

Encontrei perdido entre os posts não publicados neste blogue mais um dedicado a um dos carros mais bonitos, o Bentey Continental GT descapotável: o ano passado andavam alguns a passear sob o sol algarvio; ainda não vi nenhum este Verão.

(Galé, Agosto 2014)

Estive a ler a complicada história da Bentley, com problemas financeiros, compras hostis e grandes paixões. A certa altura foi adoptado pela Rolls Royce. Hoje é propriedade da Volkswagen e os carros são construídos na Alemanha e apenas montados no Reino Unido.

Omar Sharif

Morreu um dos grandes actores românticos do século XX, intérprete em dois gloriosos épicos dos anos sessenta, Doctor Zhivago (que revi recentemente e de que gostei ainda mais do que da primeira vez) e Lawrence of Arabia com o também já falecido Peter O'Toole. Noutro registo, lembro-o ainda interpretando um oficial alemão em busca de um assassino em plena loucura nazi em The Night of the Generals.

Foto Wikipedia


Deixo aqui um bocadinho de uma entrevista relativamente recente, em que falta falar de uma outra paixão sua, o bridge.

A declaração ao minuto 2:42 é tanto mais impressionante quanto há pouco tempo foi revelado que Omar Sharif sofria da doença de Alzheimer.

sábado, 4 de julho de 2015

Salvar a Grécia: verdade ou consequência

Às vezes pergunto-me se estou a pensar de modo errado e quem apoia o Syriza e o governo grego tem razão ao dizer que são os outros países europeus que se estão a portar mal e a empurrar a Grécia para o abismo, mas a verdade é que já pedi dinheiro emprestado e já emprestei dinheiro e continuo a pensar que é preciso pagar as dívidas ou nunca mais ter a lata de pedir ao mesmo credor.

Entretanto houve um cidadão britânico que se lembrou de que a dívida grega poderia ser pagável se cada europeu contribuísse pessoalmente com a quantia que pudesse disponibilizar. O apelo foi feito no Twitter e noticiado pela revista Time. Chama-se a isto crowdfunding e parece-me que os apoiantes do Syriza não fariam mais do que a sua obrigação se contribuíssem concretamente para a causa em que teoricamente acreditam. Chama-se a isso pôr o dinheiro onde põem a boca - e, presumo, o coração.

À minha sugestão no Facebook não tive qualquer reacção. Eu sei que não tenho lá quinhentos "amigos", mas zero reacções? Está tudo mas é de coração na boca à espera do resultado do referendo de amanhã, e numa boca cheia com o coração nem entra dinheiro nem sai palavra 😉

terça-feira, 19 de maio de 2015

Natural Dvořák

Já há muito tempo que isto não me acontecia, mas na Antena2 têm estado a passar uma gravação do Quinteto com piano nº2 em lá maior de Dvořák, e eu tenho andado a tentar lembrar-me de qual é a canção de Nat King Cole que começa como o 2º andamento "Dumka" (a partir do minuto 14:17)

É esta:

Chama-se Nature Boy, e até houve uma batalha legal sobre um suposto plágio do compositor Eden Abhez - que perdeu. Apesar de Dvořák não ter sido tido nem achado nesse litígio, desta vez posso dizer com certeza que não fui a primeira a notar a semelhança.