sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Adeus Mr. Spock

Soube através do Facebook que o actor Leonard Nimoy morreu hoje, sexta-feira 27 de Fevereiro.

Nimoy foi o Mr. Spock da série de televisão Star Treck, de que gostei imenso. Não se tratava apenas de efeitos especiais, nem de andar aos tiros contra civilizações estranhas. Havia ideias, às vezes muito bem apresentadas.
Havia frases que ficaram gravadas (Beam us up, Scotty).
Havia, claro, uma equipa de "solistas" muito simpática, desde o capitão Kirk ao médico, ao engenheiro escocês e ao extraordinário vulcano cujas orelhas se tornaram paradigmáticas.
E a nave espacial Enterprise, sempre pronta a redefinir os limites do Universo, e a ir aonde nenhum homem tinha ido antes.
Não é lindo, este conceito?

Imagem Wikipedia

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O Sporting é um grande amor

Passo por uma enfermaria e de repente tenho mesmo de entrar:

(Faro, Fevereiro 2015)

Estou a pensar neste rapaz enquanto o Sporting joga contra o Wolfsburg.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Maria Stuarda no Liceu

Esta visita a Barcelona, que estava planeada havia meses, teve de ser encurtada e reduzida ao mínimo. O mínimo incluiu, contudo, uma ida ao Liceu ver a última récita da ópera Maria Stuarda, na qual brilhava Joyce DiDonato.

Não gostei da encenação de Patrice Caurier e Moshe Leiser (uma co-produção de vários teatros europeus), que não trazia nenhum dado novo à interpretação teatral e cujos cenários e figurinos tanto situavam a acção em meados do século XX como simultaneamente a remetiam para o período histórico correcto. Assim, as rainhas tinham vestidos com corpetes e anquinhas mas os restantes personagens não as acompanhavam; a prisão fazia lembrar as dos filmes americanos e até havia uma câmara de execução com janelas para os observadores, mas em vez de cadeira eléctrica tivemos um cepo e um machado... Adiante.

A esta distância já não me lembro de pormenores, mas sei que todo o elenco cantou muito bem. Elisabetta foi interpretada pela mezzosoprano Silvia Tro Santafé, Roberto pelo tenor Javier Camarena, Talbot pelo baixo Michele Pertusi e Cecil pelo barítono Vito Priante. Maria, claro, é entregue à diva, e hoje em dia a Joyce conquistou esse estatuto, que na minha opinião, já se sabe, corresponde à sua qualidade. Se todas as vozes eram muito agradáveis, a dela destacava-se pela firmeza, pela técnica e pela emoção.

A orquestra, dirigida por Maurizio Benini, esteve muito bem. Sem reparos quanto ao coro. Os lugares que tive foram bastante longe do palco, centrais mas altos: o som chega mas não envolve, que o teatro é grande, embora a acústica seja muito boa.

(Barcelona, Janeiro 2015)


Desta vez não esperei para falar com a Joyce.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

O pecado de Juncker

"Pecámos contra a dignidade dos povos, especialmente na Grécia, em Portugal e também na Irlanda", disse Jean Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia.

Pergunta: porque disse ele isto agora?

Respostas possíveis:
1. estava bêbado
2. pediu uma audiência ao Papa Francisco e está à espera de resposta
3. este Verão quer fazer férias na Grécia
4. outra

Votação na barra do lado direito do blogue. Se escolher "outra", por favor explique-se na caixa de comentários deste post.

A subir, a subir!

Irrita-me ouvir os jornalistas das várias televisões continuarem a falar dos problemas angolanos e russos ligados à baixa do preço do petróleo quando já há pelo menos duas semanas que este não pára de subir.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Ainda a propósito de Arte Nova

Foi finalmente este ano que entrei no Temple de la Sagrada Familia em Barcelona, e fiquei encantada:

(Barcelona, Janeiro 2015)

Comprei bilhetes online e fui relativamente cedo, fugindo assim às filas.
Dizem que deve ficar pronto em 2026. Espero que sim, vai valer a pena.