domingo, 27 de dezembro de 2009

Do tempo e da música

Era uma vez um hotel jovem, que para entreter os seus hóspedes contratou uma série de músicos.
Ainda não se falava de hoteis all-inclusive, nem havia animação a toda a hora, mas depois do jantar, no bar, em cada noite da semana havia uma actuação diferente, e nos jantares de Natal e fim-do-ano tocavam os entertainers mais apreciados.

Ao longo dos anos criaram-se relações de fidelidade: entre os hóspedes e o hotel, entre os músicos e o hotel, entre os hóspedes e os músicos.
O hotel renovou-se; os hóspedes e os músicos envelheceram. Mas continuaram fieis entre si.

Já lá vai muito tempo. Alguns dos músicos já só se ouvem com amplificação, outros passaram a tocar sentados. Deveriam talvez reformar-se, mas provavelmente, como independentes, pouco terão descontado para a Segurança Social, e pouco terão poupado. Vão tocando o que sempre tocaram.

E no entanto... No jantar de Natal alguém elogia a acordeonista, outra pessoa pede-lhe que toque um clássico, e ela toca uma coisa que ninguém sabe o que é, mas que a inspira, e improvisa, ornamenta. Os olhares dos hóspedes mostram um respeito renovado, os aplausos reconhecem que há mais para além do Malhão malhão e do Cheira bem cheira a Lisboa.
No fim da noite, a acordeonista pede uma cadeira, senta-se, toca. É aplaudida. Fecha os olhos, embalada pelo respeito e pelo apoio dos presentes. Há quem vá saindo, os empregados começam a levantar as mesas. O pequeno grupo junto da acordeonista fica. A acordeonista toca. É uma jam-session de uma música só a tocar o que lhe vai na alma.

Foi assim mesmo, como fica escrito.

Em três parágrafos

(...) o keynesianismo, nas actuais circunstâncias, é inoperante: o acréscimo da procura produzido pelo aumento da despesa pública não provoca uma oferta nacional equivalente,porque se converte na aquisição de bens estrangeiros.
Mais dinheiro colocado em circulação sairá para o exterior, sem efeitos positivos na expansão económica nacional, enquanto esta própria não se expandir.
Em economia aberta e sem capacidade competitiva do aparelho produtivo nacional - como nos encontramos hoje - «mais» keynesianismo significa mais importações, maiores défices externos e agravado endividamento.


Medina Carreira, Portugal que Futuro?, Carnaxide, 2009, pg. 38

Será muito difícil perceber isto?

sábado, 26 de dezembro de 2009

Feriados

Notícia do Diário de Notícias:

Empresários
Patrões querem menos feriados
por LUSA Hoje
O vice-presidente da Associação Empresarial de Portugal defende que a redução de feriados poderia ter um impacto positivo no PIB. O 1.º de Dezembro deveria ser um dia útil, defende.
A Associação Empresarial de Portugal (AEP) defende a redução do número de feriados como forma de combater a crise e o desemprego, a começar pelo 1.º de Dezembro, que celebra a autonomia do País face a Espanha.
(...)
Os empresários já fizeram as contas e afirmam que Portugal tem mais dois feriados do que a média da União Europeia.
E, "em particular, [comparando] com os últimos países a entrar na União - aqueles com que concorremos mais directamente - temos claramente mais feriados e mais férias", indicou o responsável da AEP.
"Na nossa opinião, justificava--se que Portugal reduzisse o número de feriados e pudéssemos trabalhar mais horas. Teria impacto no Produto Interno Bruto" (PIB), defendeu.
(...)


Isto parece-me uma parvoíce pegada. Depois de perceber, há uns meses, que a produtividade tem muito mais a ver com o que se produz do que com o tempo que se leva a produzi-lo, não vejo como pôr os portugueses a trabalhar mais um dia por ano a fazer as mesmas coisas de fraco valor acrescentado poderá melhorar significativamente o nosso PIB ou fazer crescer mais rapidamente a nossa economia.

Para além disso, as pessoas não são máquinas: precisam de estímulos, de repouso e de rituais compartilhados, que é o que deviam ser os feriados, e são nalguns países onde a sociedade se compraz em alimentar a identidade própria e a auto-estima. Por isso mesmo, se quiserem discutir feriados, vamos ver o que eles significam e o que podem significar para os portugueses, mas por favor deixem o 1º de Dezembro sossegado, até porque para celebrar Portugal deveríamos fazê-lo positivamente, num dia em que recuperámos a independência e não naquele em que perdemos um grande poeta.

Presentes de Natal

O Jr recebeu dois presentes este Natal: uma camisola que fará o sacrifício de vestir nos dias mais frios, e um brinquedo que ele adora destruir à dentada e por isso só lhe é concedido em curtos períodos de recreio.

(Albufeira, Dezembro 2009 e Janeiro 2007)


video


Se ele tivesse escolha, se calhar devolveria, trocaria ou re-ofereceria a camisola. Para nós, humanos, que raramente admitimos mas detestamos metade das surpresas que nos fazem, o Telegraph tem sugestões úteis sobre o destino a dar aos presentes não desejados.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Boas Festas

Soube pelo 31 da Armada que a TAP resolveu ontem fazer um evento natalício em pleno aeroporto de Alcoch... perdão, da Portela. Já tenho ficado feliz com outras surpresas deste género, porque me parece esta um bocadinho forçada?

Como prefiro outro género de música, aqui deixo antes este video que um amigo me mandou por email e me deixou de lágrimas nos olhos (apesar de algumas vozes femininas):

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Bach na Gulbenkian

Gostei mesmo muito da Oratória de Natal (Weihnachtsoratorium, BWV 248, 2ª parte, as últimas três cantatas). A plateia estava quase esgotada quando comprei os bilhetes, mas afinal, em tempo de gripe, havia alguns lugares vagos muito melhores que o meu, para onde consegui mudar.

A música é muito bonita, muito contrapuntística, enganadoramente fácil de seguir; a orquestra e o coro estiveram muito bem (preferia que os coristas não balançassem tanto) sob a direcção de Michel Corboz, muito velhote mas muito seguro.

Gostei muito dos oboés e dos fagotes, do solo do primeiro-violino, do apoio do baixo-contínuo. Gostei da encenação, isto é, da movimentação dos cantores para locais diferentes no palco para separar as diferentes vozes e dar maior variedade ao espectáculo. Pareceu-me que o tenor Christophe Einhorn que substituiu John Mark Ainsley afastado por doença, estava com algumas dificuldades de respiração (tempo?) na primeira ária, mas já não na segunda. A soprano Nathalie Gaudefroy, que nas notas graves mal se ouvia, tem um registo agudo impecável. O barítono Rudolf Rosen tem uma bonita voz, a da mezzo-soprano Annette Markert é bastante escura, já a pender para contralto.

No fim, entre os aplausos, um Corboz visivelmente feliz beijou quase toda a gente em palco.

O imeem morreu

Só hoje percebi porque nos meus posts as músicas alojadas no imeem tinham desaparecido: o imeem foi comprado pelo MySpace.

A questão é: mesmo que seja possível, terei paciência de mudar os links todos?

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Dar e retirar

Notícia do Público:

Juristas afirmam que isso não suscitará polémica
Código Civil vai ter um novo articulado para impedir adopção por casais homossexuais
18.12.2009 - 07:23 Por Sofia Rodrigues, Maria José Oliveira
A proposta de lei do Governo que legaliza o acesso ao casamento civil por pessoas do mesmo sexo prevê a inclusão no Código Civil de um novo artigo que determina a interdição à adopção. É isto mesmo que se depreende das palavras do ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, que ontem, ao final da tarde, na Assembleia da República, esclareceu que o diploma não permitirá "qualquer dúvida interpretativa". "Para cortar o mal pela raiz, haverá, na própria lei, um artigo expresso que definirá que o acesso ao casamento civil por pessoas do mesmo sexo não tem repercussões em matéria de adopção", afirmou. (...)

Por mim a polémica começa já. Para já não percebo (serei só eu?) o que o sinistro quis dizer. Mas o ponto principal é que não entendo como se pode partir do princípio que uma criança estará melhor numa instituição, ou num acolhimento precário, ou numa família disfuncional, do que adoptada por dois homens ou duas mulheres que se amem, que a amem e que construam com ela uma família harmoniosa.

Não é a minha guerra, mas é isto que sinto.

Princípio do fim das touradas?

Notícia de El País:

El Parlament da luz verde a debatir la ley de prohibición de las corridas de toros
La Cámara catalana inicia el proceso legislativo para eliminar los festejos taurinos dentro de tres o cuatro meses
JOAN FOGUET - Barcelona - 18/12/2009
La Iniciativa Legislativa Popular (ILP) para que se prohíban las corridas de toros en Cataluña sigue su curso.(...)
"Se preguntarán. ¿Por qué ahora?" ha inquirido Molà. Pues porque "las corridas de toros no encajan con la moral del siglo XXI", ha defendido la representante de la plataforma antitaurina.(...)
La portavoz ha recordado que en los últimos años se ha visto que muchas plazas en Cataluña se derruyen, y muchas están ahora en ruinas. No se pueden construir más. Desde 1999 se limita el acceso a plazas sólo a mayores de 14 años.(...)
El portavoz de Ciutadans, Albert Rivera, ha manifestado porque está en contra de la proposición claramente: "Es un debate sobre la libertad, no sobre los animales. ¿Por qué prohibir una tradición que se extinguirá sola?".(...)


Que a tradição se extinga sozinha é uma esperança - mas até em Albufeira há touradas, uma parvoíce completa numa terra sem touros nem toureiros. Nem sei quem vai lá assistir, nem em que estado está a praça de touros.
Que a Catalunha acabe com as touradas (mantendo possivelmente as largadas) é uma excelente iniciativa e uma excelente notícia para quem acha insuportável que se cause sofrimento aos animais para divertimento de alguns humanos.

Mesmo na antiguidade, que era menos sensível à dor dos outros, um dos jogos de inauguração do teatro de Pompeius em Roma, uma caçada em que participavam contra vontade trezentos elefantes, foi um fiasco, com o público a manifestar-se contra o sofrimento óbvio dos pobres bicharocos.

Devolver as vacinas

Notícia do i:

Espanha e Alemanha querem devolver vacinas contra a gripe A
por Agência Reuters , Publicado em 17 de Dezembro de 2009 | Actualizado há 14 horas
Espanha e Alemanha querem reduzir os pedidos de vacina contra a gripe A e mesmo devolver o excesso de doses aos fabricantes devido à fraca adesão da população às campanhas de sensibilização. De acordo com o diário “El Mundo”, a ministra espanhola da Saúde, Trinidad Jiménez já disse que o governo “está a negociar com os fabricantes da vacina a devolução dos excedentes” e ainda a avaliar que destino vai ser dado às vacinas que sobram.(...)
Já o Ministério da Saúde alemão confirmou que está a acordar com a britânica GlaxoSmithKline a redução de pedidos de vacinas contra a gripe A e, em Janeiro, vai começar a negociar com outros países interessados em receber vacinas em sobra. A Alemanha confirmou que quer vender mais de dois milhões de doses.(...)

As sobras parecem não ser muitas - dois milhões na Alemanha, que encomendou cinquenta milhões - mas admito que acho esta notícia divertida.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

O polvo que queria ser caracol

Notícia da BBC (via roda livre):

Page last updated at 17:19 GMT, Monday, 14 December 2009
Octopus snatches coconut and runs
By Rebecca Morelle
Science reporter, BBC News

An octopus and its coconut-carrying antics have surprised scientists.
Underwater footage reveals that the creatures scoop up halved coconut shells before scampering away with them so they can later use them as shelters.
Writing in the journal Current Biology, the team says it is the first example of tool use in octopuses.
(...)


Nunca imaginei. Acho que os animais estão a ficar mais inteligentes e a usar o que para eles são novas tecnologias. Já vi não sei quantas vezes o vídeo incluído na notícia, com os polvos todos contentes com os seus abrigos.

Não sei é se serei capaz de voltar a comer polvo.

Sismo? Que sismo?

Lá se foi o mito de que os animais pressentem os terramotos: o Jr não me acordou.

Já se fosse uma trovoada...

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Invejosos

Notícia do Diário Económico (via 31 da Armada):

Aviação
Red Bull Air Race vem mesmo para Lisboa
Económico com Lusa 16/12/09 16:30
O espectáculo aéreo Red Bull Air Race vai passar a ter lugar nos céus de Lisboa, após três anos de acrobacias sobre o Rio Douro.
(...)
Durante três anos consecutivos, a prova portuguesa do campeonato internacional realizou-se no Porto, sobre o rio Douro, entre o viaduto de Massarelos e a Ponte Luís I. Em Setembro cerca de 720 mil espectadores juntaram-se nas margens do rio para assistir àquela que é considerada a "Fórmula 1 dos Céus".


Já tinha sido anunciado e comentado. Por mim, que nunca vi, e que moro no extremo sul, parece-me mais entusiasmante ver os aviõezinhos da Ribeira ou de Gaia do que de Belém. Mas deve haver uns gajos com o rabo demasiado pesado para apanharem o comboio para o Porto. Ou o avião.

Imagem Freefever

Os médicos do futuro

Notícia do Público:

Saúde
Ministério revela que faltam entre 300 e 400 médicos de família e em 2013 poderá ser pior
16.12.2009 - 07:42 Por Alexandra Campos
Afinal, há ou não há falta de médicos em Portugal? A questão voltou ontem a colocar-se, a propósito da formalização de um novo curso de Medicina na Universidade de Aveiro. O Ministério da Saúde (MS) e o primeiro-ministro garantem peremptoriamente que sim, que há falta de clínicos. "Estamos a importar médicos. Temos de criar novas ofertas de cursos de Medicina para que o país disponha mais rapidamente dos médicos necessários", justificou ontem José Sócrates, na cerimónia de oficialização do curso.
(...)
Criticando a criação de mais um curso, o nono em Portugal, a Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) contrapõe que não existe um défice no número total de médicos em Portugal, mas sim problemas na distribuição por região e especialidade. E é isso mesmo que provoca na população "insatisfação" e "percepção da falta de médicos".
A ANEM cita, a propósito, os dados mais recentes publicados em Julho no Relatório Anual da OCDE que colocam Portugal acima da média, com 3,5 clínicos por mil habitantes.
(...)
"Dizer que se cria uma faculdade porque há falta de médicos não faz sentido", uma vez que os que vão começar a ser formados a partir de 2011 - altura em que arranca o curso de Aveiro - apenas serão médicos depois de 2020, retorque o bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes, para quem Portugal vai começar a formar médicos "para o desemprego".
(...)


Se o problema fosse de falta de médicos, bastaria aumentar cuidadosamente o número de vagas nos cursos clássicos de Medicina. Mas o que se pretende é implantar este novo curso, certamente igual àquele que começou este ano na Universidade do Algarve, e que foi comprado a uma empresa do Reino Unido (se bem me lembro), que o patenteou e o vendeu para meia dúzia de Universidades no país, no Canadá e na Austrália.

É um curso de quatro anos, em que os alunos, pessoas entre os vinte e poucos e os trinta e poucos anos, já com uma licenciatura, acompanharão clínicos gerais e médicos hospitalares e tentarão aprender na prática, com os casos que forem aparecendo e consoante a disponibilidade e capacidade dos ditos médicos para ensinar.

Terão também aulas com manequins, onde suponho que praticarão injecções e técnicas de reanimação, e com actores que fingirão ser doentes (!). O resto, a anatomia, a bioquímica, a microbiologia - as chamadas ciências básicas - imagino que lerão nos tratados.

Pode ser que resulte. Espero que sim, porque daqui a uns anos, quando eu for velha e os médicos a quem hoje recorro estiverem reformados, é este pessoal que vai tratar de mim.

Greves e salários

Notícia de Le Monde:

RER A: la direction prête à concéder une augmentation de salaire, sous conditions
LEMONDE.FR avec AFP | 15.12.09 | 20h46
(...)
La grève des conducteurs est entrée mardi dans son sixième jour. A l'appel des syndicats CGT, CFDT, FO, SUD, UNSA et Indépendants, ils revendiquent une prime salariale et une amélioration des conditions de travail dégradées sur cette ligne, la plus grosse ligne de transport en commun urbain en France.
(...)

O mais interessante é o comentário de um leitor:
DANITON
16.12.09 | 10h00
Un gréviste a déclaré perdre 120€ par jour de grève.Il perçoit donc un salaire de 3 500 € mensuels pour 6h30 de travail quotidien journalier dont 2 h 50 par jour en moyenne à conduire un train. Pourquoi ces chiffres là ne sont-ils pas cités ? Cela permettrait de se faire une idée de la notion de service public qu'ont ces fonctionnaires....

Não sei nada da greve dos caminhos de ferro franceses, e muito menos dos salários dos maquinistas, por isso não sei se este comentário corresponde à verdade ou é mera propaganda, mas às vezes seria interessante saber, quando há greves para aumento de salários, quanto é o actualmente auferido - líquido, já agora.

Ou não. Para não nos irritarmos mais.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Ir ao cinema

Sou capaz de estar muito e muito tempo sem ir ao cinema. Desde que a indústria assumiu como público-alvo o pessoal entre os dezoito e os vinte e quatro anos que me retirei desse jogo. As receitas são sempre as mesmas, porque os espectadores que ao fim de seis anos passam a reconhecê-las saem das salas e são substituídos por novos inocentes a quem são dados os mesmos ingredientes em proporções semelhantes.

Todavia, quando passo muito tempo sem que um único título me atraia, começo a achar que sou eu que não estou bem, e lá arrisco mais uma vez. Neste fim de ano fiz várias tentativas, e todas me deixaram aquele sabor a nada.

Vi o feel-good-movie que foi The Soloist. O enredo e a solução eram evidentes, mas havia música e uma boa representação. Viu-se.

Depois um desastre, The Brothers Bloom, anunciado como uma história de vigaristas vigarizados que me fez esperar por um guião complicado à David Mamet. Aguentei até ao fim na ideia de que não era possível ser tão mau, alguém havia de dar a volta àquilo. Não deram.

A seguir a encantadora Michelle Pfeiffer arrastou-me a uma fita de época, Chéri, em que mais uma vez se põem em cena a prostituta de bom coração e o jovem apaixonado. Porque gostam tanto os contadores de histórias de putas, chulos e bandidos ainda estou para saber. Cenários e vestidos em tons pastel, rapazinhos depilados, a senhora Pfeiffer feita pele e osso, não havia necessidade.

Ontem foi a vez de Ágora, uma espécie de panfleto politicamente correcto: contra a intolerância religiosa, a favor da independência das mulheres, pelo conhecimento contra o obscurantismo, contra as discriminações sociais, que sei eu... Saí a meio, a sentir que o realizador andava à deriva e sem vontade de o acompanhar. Hoje li uma crítica que sugere que a partir do intervalo é que valia a pena. Oh well.

Na próxima semana ainda hei-de aturar o Sherlock Holmes para o qual foi solicitada a minha companhia. E depois disso volto ao iPod, aos livros, e aos meus pesadelos, que são bem mais intrigantes do que todas estas tretas e não cheiram a pipocas.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Na pastelaria

Hoje, numa das boas pastelarias de Albufeira, um homem pontifica sobre o estado da nação para a senhora velhota na mesa ao lado. Oiço: uma desgraça... não há princípios... toda a gente sofre... deviam era ir para a Sibéria...
A senhora responde:
- Este fim de semana vai fazer um frio siberiano.
O homem entusiasma-se. E com convicção:
- Então diga lá, isto não podia ser a Suíça da Europa?

Constancio para o BCE

Notícia do Diário Económico:

Supervisão
Constâncio já tem um pé na vice-presidência do BCE
Luís Rego
12/12/09 00:01

O Governo português entregou ao Banco Central Europeu (BCE) a candidatura formal de Constâncio numa altura em que o seu principal concorrente está a perder terreno.
A candidatura de Vítor Constâncio a vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) vai de vento em popa. Não só tem o apoio inequívoco da oposição e do governo em Portugal, que anunciou ontem a apresentação formal da candidatura em Frankfurt, como vê cada vez mais reduzidas as ambições do seu concorrente directo, o luxemburguês Yves Mersch.(...)


Em comparação com a obra do sr. Constâncio, que grossa asneira terá feito o sr. Mersch para ter ambições mais reduzidas?

Tiger! Tiger!

Notícia de Al Jazeera (entre outros):

UPDATED ON:
Saturday, December 12, 2009
11:37 Mecca time, 08:37 GMT

Sport
Woods to take 'indefinite break'

US golfer Tiger Woods will take an indefinite leave from the sport to try to save his marriage (...)
"I am deeply aware of the disappointment and hurt that my infidelity has caused to so many people, most of all my wife and children,'' Woods said.
(...)
The PGA Tour supported the decision.
"His priorities are where they need to be, and we will continue to respect and honour his family's request for privacy,''(...)
Woods' corporate sponsors have stood by him for now.
(...)


Estes americanos são demais. Nunca a um europeu (ver Berlusconi como exemplo extremo) passaria pela cabeça abandonar a carreira por ter sido infiel à mulher, nem à mulher isso passaria pela cabeça (pelo contrário, digo eu cinicamente, a pensar na futura ex-senhora Berlusconi, se ele abandonar a carreira como é que lhe vai pagar a pensão milionária?).

Mas a culpa é do próprio Tiger Woods, como foi do senador Edwards e de outros candidatos frustrados a homem americano perfeito. O homem perfeito não existe. Grow up, you fools.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Uma senhora oliveira

Notícia do Público:

Terça-Feira 08/12/2009
Oliveira milenar do Algarve é a mais velha das árvores
Para a abraçar, são necessários cinco homens e tem mais de dois mil anos: a oliveira do aldeamento turístico de Pedras D"El Rei, no Algarve, é a árvore mais velha de Portugal e uma das 409 classificadas de Interesse Público.
A classificação, restrita a espécies do continente, é feita pela Autoridade Florestal Nacional (AFN) com base na longevidade, no porte, no desenho e na raridade das árvores, mas também em motivos históricos e culturais.
(...)


Tenho de ir visitar esta oliveira, que se calhar já existia quando César andou por cá em altas pancadarias.

Nota: links meus.

Prémio Turner 2009

Notícia do Telegraph:

Turner Prize: Art is beautiful again
Mind-boggling sculptures, paintings to make the spirits soar . . . modern art hasn't looked so good in years, says Alastair Sooke.
By Alastair Sooke
Published: 7:57AM GMT 09 Dec 2009

(...) This week, the artist Richard Wright won the £25,000 cheque that accompanies Britain's most prestigious annual art prize. His contribution to this year's exhibition? An incredibly intricate painting in gold leaf that covers an entire wall of a gallery inside Tate Britain like a bolt of the finest damask wallpaper. A glorious, eminently civilised work, it looks gossamer-delicate, as though it has been woven out of sunbeams.
(...) It speaks of the exaltation of the human spirit, of our finer instincts and loftier ambitions, of the ability of the soul to soar and sing. It heralds nothing less than the return of beauty to modern art.
(...)


Imagem do Telegraph


Eu aprecio a beleza na arte, e este mural é simpático e decorativo. Mas tanta emoção, tanto lirismo por um borrão aleatório que qualquer criança aprende a fazer espalhando tinta num papel e dobrando-o em quatro?

Rorschach teria alguma coisa a dizer sobre este crítico de arte.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Matar a galinha

O blog O país do Burro dá conta da notícia: o Banco de Portugal fixou os tectos máximos dos juros a pagar pelos consumidores no próximo ano.
O documento (INSTRUÇÃO nº 26/2009) está aqui (via i) e o que choca mais que tudo é o valor dos juros que podem ser aplicados nos cartões de crédito: 32,8%.

Dizem que os portugueses estão sobreendividados. O Estado português também, mas falamos agora das famílias e dos indivíduos. A mim parece-me que cobrar juros exorbitantes levará mais tarde ou mais cedo a que as pessoas deixem mesmo de poder pagar e, como comentei n'O país do Burro, lá se vai a galinha dos ovos de ouro.

Mesmo que sigam o exemplo do nobre Brutus que, como já contei, emprestava dinheiro nas províncias a juros de 48% ao ano e tinha uns homens de mão que faziam as cobranças difíceis*, quando não há dinheiro não há dinheiro, ainda que quem deve venha a morrer de fome.

Imagem Roman Numismatic Gallery



* Cicero, Ad Atticus, V, XXI,10

Estrelas Michelin

Fiquei a saber pelo blog Come-Ponto-Come, embora com atraso, que metade dos restaurantes a que o Guia Michelin atribuiu estrelas este ano em Portugal fica no Algarve.

Eu sou um bocado esquisita em relação a restaurantes, e acho que os preços andam a níveis da roubalheira pura e dura, mas gostava de experimentar alguns, noblesse oblige, enquanto estão classificados: há anos fui ao Vila Joya, que me decepcionou, e a um restaurante no Vila Vita, ainda não tinha estrela nenhuma mas lembro-me que gostei. Para não me perder mais tarde à procura da lista, aqui fica com os links respectivos:

2 estrelas
Vila Joya (Albufeira)

1 estrela
Amadeus (Almancil)
Henrique Leis (Almancil)
São Gabriel (Almancil)
The Ocean (Armação de Pêra)
Willie's (Vilamoura)

sábado, 5 de dezembro de 2009

Canções da minha vida

Há com certeza mais canções de Jacques Brel que podia escolher como canções da minha vida. Fica esta para exemplo, pela força, pelo desvairo deste homem ao cantá-la.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Alô China

Notícia do Observatório do Algarve:

Apple só vendeu cinco iPhones na China
03-12-2009 17:23:00
A operadora móvel China Unicom vendeu apenas cinco iPhones desde a estreia. Falta de wi-fi e preço elevado são um entrave ao sucesso do aparelho.
(...)


Pois eu ouvi dizer que a China está farta de fabricar iPhones e até de os vender em África... mas se calhar era má-língua.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

O cerne*

Notícia do Público:

Face Oculta
Ferreira Leite quer que escutas com Sócrates sejam públicas
03.12.2009 - 08:19 Por Lusa
A presidente do PSD considerou ontem que o problema que se põe relativamente às escutas telefónicas de conversas do primeiro-ministro é o seu desconhecimento que, defendeu, deixa José Sócrates sob suspeita.
(...)

Outro dia no Combustões, blog que me encrava o computador cada vez que o abro mas que continuo a ler obstinadamente, o Miguel acusava a direita de se perder a opinar de uma forma absurda, perdendo de vista o cerne dos problemas.

Este é um bom exemplo. MFL não deveria exigir a divulgação do conteúdo das escutas, não deveria discutir se as escutas a um suspeito que por acaso apanharam o primeiro-ministro são ou não ilegais, nem sequer, talvez, se não se andam a fazer escutas com demasiada facilidade. Deveria apontar directamente o dedo a um sistema judicial desacreditado, refém dos outros poderes, cujo código processual permite as maiores acrobacias e mantém assim todas as suspeitas não ilibando nem condenando ninguém pela substância mas sim pela forma.


*Veremos se alguém virá dar a este post à procura do cherne...

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Sherlock Holmes

We met next day as he had arranged, and inspected the rooms at No. 221B, Baker Street, of which he had spoken at our meeting. They consisted of a couple of comfortable bed-rooms and a single large airy sitting-room, cheerfully furnished, and illuminated by two broad windows.

Arthur Conan Doyle, A Study in Scarlet, pg 18, London 1996

O museu Sherlock Holmes em Londres é uma graça. Fica em Baker Street, pois claro, uma casinha de época com vários andares ligados por uma escada com passadeira, dezassete degraus até ao primeiro andar onde se encontram o quarto do herói e e a sala de estar com janelas para a rua. O dr. Watson foi improvavelmente relegado para o segundo andar, para junto da senhora Hudson. A casa de banho com água corrente quente e fria, dá para as traseiras. No terceiro andar estão as reconstituições macabras com figuras de cera.

Há o violino, o cachimbo, o kit de cocaína, a foto de Irene Adler, os recortes de jornais, as armas, o esfigmomanómetro do bom doutor, detalhes e detalhes de aventuras que já nem recordo.

(Londres, Novembro 2009)

No rés-do-chão há, claro, uma loja onde quase quase comprei o chapéu de caçador de veados. Ficava-me lindamente.

Para aquecer os dias frios

(Quinta do Lago, Novembro 2009)

domingo, 29 de novembro de 2009

Festas de Natal

A mourama no inverno adquire outras qualidades - e outros defeitos, mas vamos agora às qualidades.

(Quinta do Lago, Novembro 2009)

ISSL_Feira_de_Natal Começou a época de feiras e bazares de Natal promovidos pelas comunidades expatriadas, sobretudo britânica e alemã, em apoio de várias organizações de beneficência. Ontem no Quinta Shopping na Quinta do Lago havia vinho quente, sopa de castanhas, cachorros quentes, rifas, ornamentos de Natal e crianças e adultos a gozar um dia ao sol.

Cartaz da ISSL

(Quinta do Lago, Novembro 2009)

O tema da beneficência continuou à noite no Teatro das Figuras, em Faro, com um concerto da Orquestra do Algarve para angariar fundos para a construção de um centro de cuidados continuados para doentes com Parkinson ou Alzheimer, uma projecto com oito anos e que tarda a arrancar.

Para não falar da música, bem tocada mas raramente empolgante, (a abertura da Flauta Mágica e o Concerto nº 12 para piano de Mozart, com Ubiratã Rodrigues na direcção e Joana Gama ao piano, e a 2ª Sinfonia de Beethoven dirigida por Adriana Znachonak), direi apenas que pianista e maestrina estavam elegantíssimas, como raramente se vê em palco, e que a afinação do famoso piano me deixou algumas dúvidas, sobretudo nos agudos (mas se calhar foram os meus ouvidos cansados).

(Teatro das Figuras, Faro, Novembro 2009)

Nota para mim mesma: quando voltar a este teatro tenho de me lembrar de não comprar bilhete para as três primeiras filas, que sobem em vez de descer.

sábado, 28 de novembro de 2009

De Deus como o gato de Schrödinger

Disse o A.:

Deus só existe enquanto a humanidade existir, porque só ela se apercebe (ou não) da sua presença.

Prabjec

A palavrinha a copiar para poder deixar um comentário no post de hoje do Dias com Árvores era prabjec.
Pr'á bejeca.

Ora eu nem gosto de cerveja.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Cuidado com eles

I Capuleti e i Montechi da suite Romeu e Julieta de Prokofiev. Toca a London Symphony Orchestra dirigida por Valery Gergiev.

Reformar as reformas

Notícia do DN:

Segurança Social
PS e PSD chumbam reforma aos 40 anos de trabalho
por CATARINA ALMEIDA PEREIRA Ontem
PS e PSD negam reforma sem penalizações a 84 mil pessoas. A reforma sem penalizações aos 40 anos de descontos, independentemente da idade, implicaria a "ruptura" do sistema, garante o PS.
PS e PSD preparam-se para inviabilizar uma proposta que beneficiaria 84 mil pensionistas com longas carreiras contributivas, em nome da "sustentabilidade" da Segurança Social. Em causa estão as propostas do Bloco de Esquerda e do PCP (...)

Que o sistema está em rotura já nos disseram, e acreditamos. O que revolta toda a gente é saber que os senhores que legislam, eles próprios, independentemente da idade, auferem a reforma por inteiro ao fim de oito anos de exercício do cargo.

Bardamerda, senhores deputados.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Camelos

Notícia do Telegraph:

Australia to cull 6,000 camels in Outback
Australian authorities are preparing to round up with helicopters a 6,000-strong herd of wild camels terrorising a remote Outback community and shoot them dead in the desert.
Published: 1:16PM GMT 26 Nov 2009
Protracted drought has brought what has been described as a 'biblical' camel plague into the Docker River township in search of water, leaving residents cowering in their homes as they have smashed through water mains and invaded the airstrip.
(...)
Over the next week the regional authorities will use helicopters to muster the animals and drive them nine miles out of the township, where they will be gunned down and left to decay where they fall.
(...)


Nunca imaginei que um país considerado civilizado como a Austrália considerasse uma matança de milhares de camelos a solução para qualquer coisa. Não lhes passa pela cabeça dar de beber aos desgraçados e, se por terem few natural predators their numbers have swollen and they now compete with sheep and cattle for food and spread disease (ver mais aqui), esterilizar uma parte deles?

Parafraseando o sr. Scolari, E mouros somos nós?

O protesto de Brown

Notícia do i:

Gordon Brown quer acabar com tradição de reis protestantes
por Sara Sanz Pinto, Publicado em 26 de Novembro de 2009
Gordon Brown vai consultar amanhã os líderes da Commonwealth, em Trindade e Tobago, para tentar abolir a lei que impede que um católico ocupe o trono em Inglaterra.(...) A lei estabelece ainda que os varões têm prioridade perante as mulheres na linha de sucessão.
(...)

Ora aí está uma questão fracturante. Vamos a uma sondagem: o que será mais fácil, acabar com a discriminação religiosa ou a de género?

Desabafo quase comunista

Notícia do Corriere de la Sera:

CRONACHE
IL CASO
Veronica, chiesti 3 milioni e mezzo al mese
Il premier avrebbe rifiutato, offrendo 200 mila euro «trattabili» fino a 300 mila
MILANO — Una cosa è certa: le cifre in gioco nella separazione tra Veronica e Silvio Berlusconi sono sicu­ramente rilevanti.(...) La mo­glie del premier, secondo fonti ben informate, avreb­be presentato una richiesta di 43 milioni di euro l’an­no, ossia poco più di tre mi­lioni e mezzo al mese co­me assegno di manteni­mento.(...)
Il principio attorno al quale ruotano questo gene­re di cause è il manteni­mento del tenore di vita precedente alla decisione di separarsi. L’assegno ser­virebbe quindi a questo: a garantire a Veronica le stes­se possibilità che ha avuto finora. (...) Inoltre, fonti vicine al premier fanno pre­sente che sarebbero già sta­ti versati a Veronica tra i 60 e i 70 milioni di euro, pro­babilmente anche nell’inte­resse dei figli nati dal se­condo matrimonio di Ber­lusconi.(...)

Às vezes quase me sinto comunista, daqueles à séria, como antigamente. Não é sequer por mim, que ficaria toda contente se ganhasse por ano o que o sr. Berlusconi oferece por mês à futura ex-mulher, ou se uma vez na vida o Euromilhões me pagasse o que ela pretende receber mensalmente. Eu nem sequer entendo em que poderia ela gastar 3 milhões e meio de euros por mês. E não me compete, nem me interessa, controlar o que o sr. Berlusconi ganha ou deixa de ganhar nos seus negócios. Mas faz-me, ah faz-me confusão este género de números quando à nossa volta, e em Itália também, se fala de crise, de desemprego, de imigração ilegal, de pobreza e de insegurança.

Pergunto-me como pode esta gente viver em paz com a sua consciência. Mas depois penso na Índia ou na China, onde tanta gente vive com um salário mensal inferior ao que eu ganho num dia, e pergunto-me onde está a diferença, onde está o limite.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Da vacina contra a gripe como um dever social

Artigo de Le Monde:

Point de vue
Faut-il se faire vacciner contre la grippe A ?, par Philippe Cibois
LEMONDE.FR | 24.11.09 | 18h13 • Mis à jour le 25.11.09 | 13h43
L'obstacle à la vaccination est que, du point de vue rationnel, il ne faut pas se faire vacciner : pourquoi prendre le risque de complications qui peuvent être graves pour éviter une maladie en général bénigne ? (...)
C'est une autre rationalité qui est prise en compte par les autorités : si la proportion de personnes vaccinées reste faible, l'épidémie se répandra, désorganisera le système social et fera aussi des morts dans une population jeune.
(...)
Se faire vacciner est courir un danger faible, mais un danger quand même : il est rationnel de l'accepter pour éviter le danger plus grave d'une épidémie qui nous menace collectivement de désorganisation. L'accepter est notre contribution personnelle au bon fonctionnement collectif dont nous tirerons des bienfaits car plus nombreux sont les vaccinés, moins l'épidémie se répand. (...)

Uma perspectiva interessante. No entanto, nunca estes argumentos foram usados em relação à gripe sazonal, e é o tratamento diferente, privilegiado e histérico concedido à gripe A(H1N1) que nos faz desconfiar e nos opõe, enquanto indivíduos frequentemente sujeitos às manipulações e explorações mais deselegantes, a essa presumida solidariedade colectiva.

Gelido in ogni vena

Andamos nós preocupados a controlar as anemias, a discutir com as Testemunhas de Jeová sobre transfusões de sangue, a abanar a cabeça ao lembrar as sangrias que os barbeiros faziam para baixar as febres, e a Demi Moore pagou para engordar sanguessugas e assim supostamente desintoxicar o sangue e evitar o envelhecimento.

Pelos vistos não basta o Photoshop.

Nesta entrevista da senhora Moore, a parte das sanguessugas começa no minuto 3:28, e é típica dos disparates pseudo-científicos com que as pessoas gostam de ser enganadas. Isto passou-se em 2008 mas só hoje soube - assim vai o meu conhecimento da vida das celebridades.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Para o viajante cinéfilo

Passeando pela blogosfera, dei de caras com este link no blog O Homem que sabia demasiado para uma espécie de guia turístico especial que sugere visitas aos lugares onde foram filmados os nossos filmes preferidos.

Chama-se The Worldwide Guide to Movie Locations e parece interessante.

domingo, 22 de novembro de 2009

Autoria

A propósito deste post no blogOperatório, lembro-me que os antigos Romanos, quando mandavam construir estradas, teatros, aquedutos ou outras obras úteis à comunidade, achavam normal dar-lhes o seu nome ou o nome do seu clã (gens), para que os vindouros se lembrassem de quem os tinha beneficiado.

(Roma, Março 2009)

Também acho normal. Vamos lá rebaptizar a "Ponte 25 de Abril", dar nomes de gente às auto-estradas e que cada um saiba quem foi o autarca que deixou construir mamarrachos no centro das cidades.

Nota: a fachada do Panteão foi anteriormente a das termas de Agrippa, daí a inscrição Marcus Agrippa, filho de Lúcio, consul pela terceira vez, construiu.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Canções da minha vida

Esta canção marcou-me: o texto é todo ele lindíssimo, e o conceito de que viver bem é a melhor vingança não me deixou mais.

Às voltas no quarto

Há gajos muito malucos. Já não bastava o hotel de gelo, agora em França existe* um hotel para quem gosta de viver como um hamster.
Com roda para exercício e tudo.


* via Telegraph

O discurso

Quando se diz que o rei reina, e o governo governa, não nos lembramos do que deve ser a ira da Rainha de Inglaterra cada vez que abre oficialmente o ano parlamentar e tem de ler o chamado Discurso da Rainha, que é no fundo o programa do Governo, por este escrito e aprovado.

Às vezes deve ter vontade de mandar prender toda a gente na Torre.

Foto Wikimedia Commons

Dar a volta

Notícia do i:

Crédito ao consumo cai quase 23%, afectado pela venda de automóveis
por Tiago Guerreiro da Silva, Publicado em 17 de Novembro de 2009
Os portugueses estão a consumir menos crédito. A concessão de empréstimos voltou a cair no trimestre
(...)
A redução da venda de automóveis e uma maior restrição do consumo, por parte dos portugueses, são apontadas como as principais razões para a queda. "Com a diminuição de quase 40% da venda de automóveis", o recurso ao crédito também caiu, explicou Susana Albuquerque, secretária-geral da ASFAC, ao i.
(...)
"Por outro lado, a diminuição da procura de móveis, bem como do consumo de viagens e produtos de estética" também contribuiu para uma menor procura de crédito, adiantou a responsável da ASFAC. O crédito para a aquisição de artigos para o lar caiu 27%, enquanto o crédito pessoal diminuiu 55%.
(...)

Curioso como se dá a volta aos factos. Não creio que seja porque os portugueses compram menos que recorrem menos ao crédito: conhecendo os seus hábitos de consumo, parece evidente que é porque o crédito lhes é negado (e é, porque as instituições de crédito têm hoje regras mais apertadas) que compram menos.

Este tipo de raciocínio ao contrário é o que levou à alta indignação quanto às "escutas ao primeiro-ministro": não era ele que estava a ser escutado, mas pondo as coisas neste pé vai-se conseguir inutilizar as ditas escutas e ilibar o seu alvo, o amigo Vara.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Os banhos romanos de Bath

Alguns historiadores contemporâneos* têm sugerido que o hábito dos antigos romanos tomarem banho em piscinas comuns seria, ao contrário do que parece natural e os próprios romanos acreditavam, uma terrível falta de higiene e a melhor maneira de se propagarem doenças. Isto porque acham que a água não era tratada nem renovada e que, não tendo os antigos conhecimento científico da causa das doenças e do processo de contágio, sãos e doentes se banhavam na mesma água. Conhecendo a sofisticação daquela cultura, confesso que duvido que as coisas se passassem assim.


Pelo menos nos banhos de Aquae Sulis a água era renovada: há na grande piscina pontos de entrada e de saída para a água que jorra da fonte termal. E se agora não podemos lá tomar banho, podemos apreciar a qualidade da construção, a serenidade e a beleza do local, e até a oportunidade de partilhar impressões com um simpático peregrino.

(Roman Baths, Bath, Novembro 2009)



* Garrett G. Fagan, Bathing in Public in the Roman World, Michigan, 2002; Mary Beard, Pompeii, Londres, 2009

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Duas perguntas

Porque raio se entrevista na SIC Notícias o sinistro da Defesa a respeito das escutas aos telefonemas do sr. Armando Vara?

Este tipo é para levar a sério (e é assustador) ou é para rir?

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Bath

A propósito de crescentes georgianos, Bath é um exemplo de arquitectura georgiana e de uma cidade planeada para ser harmoniosa, até ao ponto de ainda hoje todas as casas serem construídas no mesmo tipo de pedra.

Eu sei que no Algarve se tentou conseguir essa harmonia pintando as casas todas de branco, apesar de não ser essa a tradição local. Mas em Bath não há prédios de doze andares, nem colunazinhas e frontõezinhos pirosos, e até a cor das portas pode ser motivo de discussão camarária.

(The Circus, Bath, Novembro 2009)


(Royal Crescent, Bath, Novembro 2009)


(Victoria Park, Bath, Novembro 2009)


(Theatre Royal, Bath, Novembro 2009)


(Pulteney Bridge sobre o Avon, Bath, Novembro 2009)


quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Censura

Às vezes parece que os objectos têm personalidade. O meu iPod não aceita o CD Händel de Rolando Villazón.
Calculo que pelo menos a Moura Aveirense esteja a pensar que não se perde nada (eu sei, eu sei, a voz não é barroca, a coloratura é deficiente e falta-lhe criatividade nos da capo), mas eu gosto de ouvir o moço e irrita-me que um instrumento electrónico, por muito giro que seja, censure o que posso ou não posso ouvir.

Violência

Notícia de The Portugal News:

Eastern European gangs terrorise Algarve
7/11/2009
PJ police are said to be on the trail of a violent gang of Eastern Europeans who last weekend viciously assaulted an elderly Swiss couple at their €3 million villa in Almancil, Loulé, the third violent crime of its genre to take place in the central area of the Algarve in less than one month.
During the assault the 80-year-old man was beaten around his head and tied up with phone wire while his 77-year-old wife was taken into another room and raped.
(...)
Meanwhile it has emerged that two other violent incidents occurred in the Loulé/Faro area of the Algarve and may have been carried out by the same foursome.
Reportedly, three weeks ago a 60-year-old woman was attacked by four hooded Eastern Europeans who had broken into her home in Goncinha, Loulé.
She was sellotaped to a chair and forced to tell the men where all her valuables and money were kept. The men threatened to cut off her fingers with pliers if she failed to do so.
Fifteen days later a second similar incident was reported by a 50-year-old British woman who was also attacked in the same way by four Eastern Europeans in her home in Telheiros, Bordeira, Faro.
(...)


Isto é assustador. Que gente é esta que viola mulheres de 77 anos e é capaz, não duvido, de arrancar dedos a alicate? Por muito dura que seja a realidade económico-social, não explica esta selvajaria, nem a dos gangs que, dizem-me, batem e esfaqueiam - foi internado recentemente em Faro um homem a quem destruiram o baço, um rim e parte do intestino - para pontuar, como se a violência na vida real não passasse de uma extensão dos jogos da Playstation.

Música em Londres

Que tal este programa: Christoph Eschenbach no Royal Festival Hall a dirigir a London Philarmonic Orchestra na abertura do Tanhäuser e na sexta sinfonia de Bruckner (que eu não conhecia) e, entre as duas peças, a acompanhar a mezzo-soprano Petra Lang a cantar as Wesendonck Lieder?

A mim pareceu-me lindamente, e lá fui. O serão começou da melhor maneira, se calhar porque não tendo conseguido ir ao S. Carlos para o Crepúsculo dos Deuses me andava mesmo a apetecer um cheirinho de Wagner. Petra Lang tem uma voz bonita e expressiva, e só lhe aponto a dureza das consoantes finais das palavras, um corte na intimidade da música. Eschenbach dirigiu de memória, e em resposta a orquestra percebia-se clara, concentrada e envolvida, lidando na segunda parte admiravelmente com os contrastes de Bruckner, que são no entanto, para mim, mais repetitivos que empolgantes.

A sala tem uma excelente acústica, embora me continue a parecer estranha a ideia de pôr cadeiras do outro lado do palco, atrás dos músicos. Ainda assim havia elementos do público a dormir. O cansaço e a idade não perdoam...

Fica aqui uma versão só áudio da primeira parte do segundo andamento (Adagio) da 6ª de Bruckner.


segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Esquilos com classe

Quem for passear por Kensington Gardens leve, por favor, umas migalhinhas para os esquilos: eles vêm comer à mão.

(Kensington Gardens, Londres, 2009)

Papoilas e militares

Enquanto em Portugal nos últimos 35 anos conseguimos convencer-nos de que não gostamos e não precisamos de Forças Armadas, de que os nossos militares foram bandidos que andaram a travar a luta pela independência de povos subjugados, e finalmente de que um militar é um funcionário público igual aos outros e por conseguinte excedentário, em Inglaterra há organizações que procuram dar apoio aos militares e suas famílias, desde os que estão envolvidos no atoleiro do Afeganistão aos que lutaram em guerras passadas.



(Bath, Novembro 2009)

Nesta altura do ano os ingleses fazem peditórios e passeiam-se com papoilas na lapela em honra aos seus militares. Notei que os peditórios são civilizadíssimos, que ninguém de facto pede mas quem quer dá.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Persuasão

Para um fim de tarde de Outono, a melhor versão filmada de um dos mais doces e complexos romances de Jane Austen, que ainda mais talvez do que os banhos romanos me persuadiu a visitar Bath.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Bonfire night

Este é o dia em que os ingleses celebram a vitória sobre uma acção terrorista planeada para fazer explodir o parlamento de Londres na sessão solene de abertura do ano de 1605, com o governo e o rei lá dentro.

Não faço ideia porque iria a sessão pela noite fora, mas o certo é que um tal Guy Fawkes estava na cave com umas dezenas de barris de pólvora, pronto para os acender, quando as forças leais ao rei, alertadas por um amigo dum amigo, o encontraram. Sob tortura, confessou tudo incluindo os nomes dos restantes conspiradores.

Fawkes e os seus companheiros foram executados com os requintes de malvadez próprios da época, e o 5 de Novembro passou a ser noite de fogos de artifício pela Inglaterra fora.

Espero que não chova.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

domingo, 1 de novembro de 2009

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Conversar com Cecilia

Soube pelo blog Opera Chic que daqui a pouco mais de duas horas, se não houver aqueles desacertos habituais nos eventos em tempo real na web, quem quiser e perceber como se faz pode juntar-se ao chat com Cecilia Bartoli sobre o seu mais recente CD, que, enquanto se espera, se pode ouvir aqui mesmo, por cortesia da NPR.



'Bora lá dizer-lhe quanto a queremos a cantar novamente em Portugal, e quanto odiamos as fotomontagens do CD?

Contar multidões

Lido no Diário de Notícias (via blogOperatório):

UM PONTO É TUDO
Ciência mata mais uma ilusão
por Ferreira Fernandes Ontem
(...)
As notícias chegam de Espanha, de uma manifestação (por acaso de direita, mas com a esquerda seria o mesmo) contra o aborto. Estimaram os organizadores: 2 milhões. A Comunidad de Madrid (do PP, próxima dos organizadores): 1,2 milhões. A polícia: 250 mil. Extraordinária diferença! Mas ainda não viram nada. A empresa Lynce, especialista do assunto, pôs um zepelim no ar, com quatro câmaras de alta resolução e dois vídeos de alta definição. E não estimaram, contaram: 55 316 cabeças! (...)


Tomai e embrulhai. E se quiserdes, ide ver o site da Lynce, que explica tudinho.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Uma pergunta

Alguém está a conseguir ver O Crepúsculo dos Deuses no site do S. Carlos?

Porque para mim é noite cerrada.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Dissidente, quem?

Na Declaração Universal dos Direitos Humanos faltam dois direitos: o direito à dissidência e o direito à heresia

José Saramago, hoje, na SIC Notícias.


Nunca antes vi o sr. Saramago tão humilde. Terá sido a doença a amansá-lo? O facto é que nem defendeu esta sua tese, como seria de esperar.

Como diria a Isa, Temos pena.

Mudar a hora

Notícia do Expresso:

Hora de Inverno aumenta poluição
A mudança para a hora de Inverno, que ocorrerá em Portugal este fim-de-semana, leva a um maior consumo de energia e a mais poluição, indica um estudo da Universidade de Cambridge.
Lusa
9:59 Sexta-feira, 23 de Out de 2009

O atraso dos relógios no último domingo de Outubro marca o regresso à hora média de Greenwich, usada por Portugal e Reino Unido, mas manter a hora inalterada poderia poupar energia e reduzir a poluição.
(...)
Um estudo da Universidade de Cambridge divulgado esta semana estima que o Reino Unido poderia poupar 885 Gigawatts-hora nos meses de Inverno, o equivalente à electricidade gasta por 200 mil casas durante um ano, e reduzir a emissão de 446,925 toneladas de carbono.
"O uso de electricidade é maior à tarde do que de manhã", justifica Elizabeth Garnsey, professora de Estudos de Inovação, em declarações à agência Lusa.
(...)
Entre 1992 e 1996, Portugal adoptou o fuso horário da Europa Central, usado pela maioria dos restantes países da União Europeia.
Apesar de facilitar as comunicações e transportes internacionais, a mudança, empreendida pelo então primeiro-ministro, Cavaco Silva, foi criticada, porque afectava o ritmo escolar e dificultava o sono.
(...)


Lembro-me dessa época, em que as tardes de Verão eram tão compridas que não dava sequer jeito combinar jantares. Mas o que realmente me agradaria seria voltar aos tempos em que não se mudava a hora. E podíamos ficar com a hora que temos agora, que não é a hora solar real, mas que me parece bastante simpática.

Por favor, alguém responsável dê ouvidos aos investigadores de Cambridge, pode ser?