quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Charlie, nós e eles

Diz o sheik Munir que o choca o ataque terrorista ao Charlie Hebdo porque o Islão é uma religião pacífica. Não é verdade: o Islão ortodoxo, fundamentalista, é tão pouco pacífico como foi o cristianismo durante séculos, ou o judaísmo na sua origem. Felizmente uma grande parte da Humanidade percebe, ou simplesmente sente, que acima dos preceitos mesquinhos apregoados pelos pregadores, das abstenções e das proibições, acima de tudo isso está o desejo de viver em paz, cada um consigo mesmo e com os vizinhos.
Outra parte da Humanidade, no entanto, tem prazer em causar sofrimento, e são esses sociopatas que, em nome de deuses ou de causas, de direitos ou deveres, matam, mutilam, violam, humilham, sequestram e torturam. Há-os de todas as cores e de todas as ideologias; desde o 11 de Setembro de 2001 os mais visíveis têm sido muçulmanos.

O ataque ao Charlie Hebdo é o mais recente ataque terrorista islâmico: recente e mediático, acontece depois de tantos outros mas chama a atenção para o que nos inquieta: "eles" estão no meio de nós. Não se trata de uns selvagens decapitadores na Argélia, nem do ISIL no Iraque, dos Boko Haram escravizadores de raparigas na Nigéria ou dos talibãs assassinos de adolescentes no Paquistão. "Eles" já chegaram cá, e podem de um momento para outro entrar aos tiros em qualquer sítio onde estejamos.

Não interessa que o assassino de Oslo não fosse muçulmano, nem que até há pouco tempo fossem cristãos os que armadilhavam carros de polícias no país basco ou na Irlanda do Norte: o inimigo agora usa turbante e barba aos caracóis. Presa fácil para os grupos que até há pouco agrediam homossexuais ou negros. E corremos o risco de não nos indignarmos quando houver agressões a muçulmanos. Et pourtant: os alemães, que ao contrário do que se diz têm bem vivo o seu passado (nie wieder!), desfilam visivelmente nas ruas pela aceitação e pela integração, lembrando a todos o perigo dos pogroms.

Talvez o mais importante seja o que eu espero e desejo: que os muçulmanos que vivem connosco pacificamente se manifestem também contra o terrorismo, que mostrem e digam e insistam que são "nós" e não "eles".

5 comentários:

Paulo disse...

A verdade é que já ontem alguém foi fazer uma gracinha na mesquita de Lisboa. Coisa boa para atear rastilhos.

Mário Gonçalves disse...

Isso não lhes corre no sangue, Gi. Serão sempre mais solidários com outros muçulmanos do que com vítimas, cristãos ou ateus. Dirão que os Kouachi 'foram desviados' mas são irmãos.

Só acredito neles quando tiverem um estado laico com governantes não muçulmanos.

Gi disse...

Paulo, não havia necessidade.

Gi disse...

Mário, talvez seja "wishful thinking" da minha parte.
Tal como o Mário, eu sou ateia, e acho mesmo que as religiões monoteístas são um flagelo para a Humanidade. Talvez os muçulmanos pacíficos sejam apenas, como os cristãos liberais, os que não levam a religião a sério.
Ora parece-me que só a desaprovação evidente desses pode quebrar o recrutamento de mais pretensos mártires.

Mário Gonçalves disse...

Concordaria consigo, Gi, não fosse a "guerra santa" aos infiéis estar inscrita no próprio Corão. Precisavam de fazer uma Reforma, como a Europa fez (várias), e já agora dar valor ao trabalho e à prosperidade, e não só às preces diárias, a ver se os países muçulmanos saem da cêpa torta.

Não deve ser para este século :(