sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Ao telefone

Então é assim: a Liliana e o Bruno estão a separar-se e a história toda desde a descoberta da gaija, com as zaragatas, os conselhos, a sogra aos gritos, a guerra sobre o carro afinal comprado pelo sogro, corre não só entre os amigos de ambos (a Fátima, o Filipe, a prima Cláudia, o Nuno, a Mónica, entre outros) como entre todos os passageiros da primeira carruagem do Alfa Pendular entre o Algarve e o Porto, que não pudemos deixar de a ouvir contada ao telefone, com sotaque e vocabulário nortenho não censurado e tudo a que tivemos direito.

4 comentários:

Mário disse...

Vá, não vale dizer mal dos nortenhos ;)

Infelizmente, o que conta é o que se ouve por cá nas esplanadas,às vezes tenho de fugir que não aguento mais. E fico na dúvida se há alguém do outro lado.

Dava um grande filme, melhor que os Morangos.

Deo gratias, há mais Europa.

mfc disse...

Nessas alturas até que apetece ser bruto e dizer à pessoa para falar mais baixinho!

Beijos,

Gi disse...

Mário, amen.

Gi disse...

Mfc, eu disse, e ela falou - durante cinco segundos.