quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Doçura ou travessura

Notícia do Público:

Açúcar no café? Saúde quer reduzir quantidade dos pacotes para metade
Alexandra Campos
14/01/2016 - 07:16

Esta é a primeira proposta de um lote de medidas idealizadas pela Direcção-Geral da Saúde para reduzir o consumo de açúcar em Portugal. Embalagens individuais vão passar de oito para quatro gramas de açúcar.
(...) e tornar obrigatório que estes pacotes apenas sejam disponibilizados aos clientes se o pedirem expressamente.
(...)


Ora que medida tão inteligente. Só serve para tornar os pacotes de açúcar mais caros para os comerciantes (o dobro do papel para a mesma quantidade de açúcar). As pessoas que usavam um pacote simplesmente pedirão dois, duh.

5 comentários:

Mário Gonçalves disse...

Qual é o contrário de esperteza saloia - burrice saloia ?

Irrita é o tempo que se perde com estas medidas, como se os problemas do mundo e dos homens fossem estes. Nem sequer na Europa rica.

E se reduzissem o teor de álcool dos vinhos ? Ah não, isso nunca ! É uma riqueza nacional...

Gi disse...

O teor do álcool nos vinhos é cada vez alto, não é, Mário? Tenho ideia de que quando era miúda o normal andava pelos 12º, e isso agora é praticamente "refresco"...

Rita Maria disse...

Por acaso tenho grandes dúvidas - acho que sem dúvida as pessoas que punham meio pacote vão passar a não desperdiçar papel e açúcar, e as que punham um inteiro podem por dois, mas vão ter noção, por causa das notícias que acompanham a decisão e de todo o sururu, de que estão a consumir muito açúcar, aí um quinto das suas necessidades de açúcar do dia. E acho que muitas não tinham, mesmo.

Gi disse...

Rita Maria, pergunto-me se passarão a consumir menos açúcar ou simplesmente se sentirão mais culpadas...

Rita Maria disse...

Acho que algumas o fazem mesmo de forma pouco consciente e que mudarão, sem grande entusiasmo mas também sem grande alvoroço.

As que o vão passar a fazer de forma mais consciente, talvez sintam algum estigma, sim, especialmente se tiverem de os pedir. E não acho ideal, claro, não tenho paciência para quem atribui valor moral às decisões alimentares, para o "pecadinho", quer quando erotizado quer quando carregado com culpa e vergonha.

Mas no conjunto avalio a medida de forma positiva.