terça-feira, 16 de agosto de 2011

Esquerda e direita

Eu, que não consigo definir-me como de esquerda nem de direita, acho que a esquerda é fundamental para denunciar quem explora os trabalhadores, e a direita para lhes dar emprego.

12 comentários:

Mário disse...

Sim, são complementares.

Eu diria que mais importante é a esquerda para defender liberdades e a direita para defender a lei e a ordem.

Mas, por onde quer que se lhes pegue, uma sem a outra é que não.

Por isso tenho passado a vida a votar alternado. Até que chegou o momento em que ambas repugnam, porqe deixaram de ser o que eram, passaram a uma mistela "central" sem cérebro nem coluna.

E agora?

Paulo disse...

Agora? Agora é emigrar para um sítio ainda a inventar.

Gi disse...

É verdade, Mário. E de vez em quando ainda esqueço que o objectivo dos políticos, hoje, não é governar, muito menos governar bem, mas simplesmente arranjar jobs for the boys.

Paulo, por isso é que o meu radar não pára à procura desse sítio.

Rachelet disse...

Bom, se querem ordem, é com a esquerda, não com a direita - olhem como eram ordeiras as milícias chinesas, jugoslavas, romenas... (inserir lol).

E olha que não estou a ver como é que a direita dá emprego. Aliás, a avaliar pelo presente, cada vez vejo mais desemprego.

Um kibbutz era capaz de não fazer mal a ninguém...

Gi disse...

O lm tentou deixar um comentário e, como não conseguisse, mandou-mo por email. Vou transcrever tal qual:

Ortega y Gasset, no capítulo "IV O crecimento da vida" a página 25 do ensaio "a rebelião das massas" edição da RELÓGIO D'ÁGUA, expõe o seguinte: "Ser de esquerda é, como ser da direita, uma das infinitas maneiras que o homem pode escolher para ser um imbecil: ambas são, com efeito, formas da hemiplexia moral. além disso, a persistência deste qualificativos contribui bastante para falsificar ainda mais a realidade do presente, já de si falsa, porque se enredou o enredo das experiências políticas a que correspondem, como o demonstra o facto de hoje as direitas prometerem revoluções e as esquerdas proporem tiranias."
Estou de acordo com o pensador que há noventa anos desejou para a Europa um novo reino de filosofia diferente do que herdámos de Platão.

João Afonso Machado disse...

A Esquerda a defender os trabalhadores, Gi? Onde,em que país governado pela Esquerda?
China? Coreia? Vietname? Algum dos que já o foram, quando o eram?

Gi disse...

Rachelet, João Afonso, eu só estava a falar da situação presente em Portugal...

Lm, nunca li Ortega y Gasset, que filosofia propunha ele?

Mário disse...

Pois, tal como os croissants e os mil-folhas, a esuqerda e a direita portuguesa nada têem a ver com as do resto da Europa. São muito caseirinhas.

Até a ditadura salazarista foi um oásis para quem fugia da Europa - Lisboa era o único refúgio no sul, e ponte para a América.

Nas coisas más, é bom sermos assim tão meias-tintas; nas boas, é o que se vê - não saímos da cepa-torta.

Portanto, esquerdinha agora, direitinha depois, à vez, assim é que tem sido, assim é que deve continuar. Ora agora embolso eu, ora agora lucras tu. Ora agora tenho aumentos, ora agora aperto o cinto.

Centrinho não, é uma lama repelente.

Gi disse...

Mário, tudo certo, excepto que agora aperta o cinto sempre.

O pessoal espera que seja só um apertozinho, mas não tenho nada a certeza disso.

Mário disse...

Não há mal que sempre dure

ditado português(inho)

mfc disse...

O capitalismo descobriu a fórmula de sobreviver à custa de salários baixos.
Mas ainda não descobriu a fórmula de sobreviver sem consumidores!!!

Gi disse...

Mfc, salários baixos já existiam antes do capitalismo. A sociedade de consumo é muito mais recente...