quinta-feira, 24 de março de 2011

Numa de Professor Marcelo

O sr. José Sousa tem muitos defeitos mas não é burro. A não apresentação do PEC IV ao presidente da República e ao presidente do PSD antes de ser tornado público não foi distracção, displicência ou arrogância: foi feita com o propósito único de os irritar e de levar ao chumbo do projecto.

O sr. José Sousa queria pois demitir-se? Queria. Está cansado? Jamais. Quer recandidatar-se e vencer com uma votação superior à actual. Se possível, superior à do PR.
E como planeia ele obter tal votação? Fácil: chamando o FMI.

Vamos lá ver: este país não tem solução. Não temos dinheiro, não vamos ter dinheiro, e daqui para a frente, a continuarmos esta estratégia, vamos viver muito pior. Para mudarmos de estratégia tínhamos de mudar de perspectiva. Não são os políticos que temos que têm capacidade para isso. Nem os economistas, que alinham todos pela mesma cartilha mas falam como se tivessem individualmente descoberto a pólvora - agora.

E quanto a nós, leigos, podemos protestar e esbracejar o que quisermos, mas também não fazemos ideia de como sair daqui. Não é com certeza com as propostas do BE ou do PCP, embora às vezes me apeteça acreditar que eles têm razão. Mas também às vezes me apetece acreditar que há vida depois da morte e vou reencontrar o meu pai e os meus cães.

Anyway, voltando ao assunto: o sr. Sousa vai chamar o FMI porque não tem outra hipótese - não porque o FMI tenha soluções - mas vai poder clamar que é contra vontade, que a culpa é da oposição, que tudo o que acontecer de horrível - e vai acontecer - é da responsabilidade dessa oposição irresponsável.

E pode ser que ganhe outra vez as eleições.

9 comentários:

mfc disse...

Eu não vou cair no erro de dizer que vêm aí os mesmos de sempre!
Não!!
Digo é que vêm aí os mesmos "eleitores " de sempre... aqueles que ciclicamente elegem os mesmos com um espaço de 4 ou 8 anos!

Paulo disse...

Ah pois pode, que as alternativas não ajudam.

Mário disse...

E eu julgo-me pessimista! Gi, Portugal não é um país pobre de um continente pobre; não é vítima de calamidades nem de revoltas de minorias; tem uma moeda forte e aliados ricos e poderosos; tem recursos para se safar medianamente.

Vejo os centros comerciais cheios e carros novos (dos melhores) na rua; não falta nada nos supermercados e os carrinhos de compras vão cheios; as agências de viagem não vão à falência (ao contrário das fábricas obsoletas)e corre tudo para algarves e brasis. Voos completos.

Crise, qual crise? Ganhar 1000 € por mês, "vergonha" para os franceses, é uma mina de ouro para ucranianos e magrebinos. Quem lhes dera, que não emigravam.

Por acaso estamos piores que no tempo do Salazar? andamos a caldo e sardinhas? não parece. Há quem puxe carros carregados de lenha ou de fenos para gado? acho que não.

O sr. Sousa é um aldrabão esperto, fama que aliás os portugueses têm lá fora. Governou para os amigos e não para o país, como de costume. Mentia com os dentes todos e uma lata descarada. Merecia ir a tribunal e ser condenado a 5 anos a pão e água. Ria dos outros, fazia àpartes ordinários na Assembleia, desprezava a opinião contrária.

Aleluia! Eu estou contente por me ter livrado dele (mesmo que venha outro parecido) e não acho que seja o fim do mundo. Nem o fim da História. Haja boa disposição, alegria de viver, satisfação com o que temos - mesmo que seja pouco, vale muito, valorizemos a nossa relativa riqueza.

Mário disse...

P.S. ah, e tanto faz que o FMI venha ou não. No séc. XXI já não acredito em papões, sõ em papalvos.

Gi disse...

Mfc, os eleitores são a mesma massa manipulável :-(

Paulo, o Passos Coelho, que é mais burro que o actual PM, já se está a enterrar.

Mário, para fazermos essa vida é que a dívida externa (pública e privada) aumenta desmesuradamente a cada hora. Quando essa fonte secar será a catástrofe, e acha realmente que ainda vai levar muito tempo? Ou os mercados acreditam que vamos conseguir pagar essa dívida, com juros cada vez mais altos, quando a nossa economia não cresce há que tempos?

Quanto ao aldrabão, o que mais quero é vê-lo pelas costas, mas isso não vai resolver os nossos problemas.

mfc disse...

Gostei do que disse, GI!

Mário disse...

"Quando essa fonte secar será a catástrofe"

Catástrofe? Acho que será o princípio da cura. Muitas vezes a cura é dolorosa, sim.

Só nos fará bem viver ao nível das nossas possibilidades. Que, repito, não são miseráveis - são apenas medianas.

Não tenho medo, Gi. Profetas da desgraça sempre houve.

Gi disse...

Só nos fará bem viver ao nível das nossas possibilidades.

Mário: e quando o Estado admitir que não tem possibilidades de pagar a sua reforma e o meu ordenado?

Gi disse...

Mfc, eu é que não gostei muito de o dizer ;-)