quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Outra vez a idade da reforma

Notícia do Jornal de Negócios:

Proposta de reforma aos 75 anos na Suécia provoca polémica
07 Fevereiro 2012 | 19:24
Carla Pedro - cpedro@negocios.pt

O chefe do governo sueco, Fredrik Reinfeldt, defendeu que os cidadãos trabalhem até aos 75 anos, em vez de o fazerem aos 65.
(...)
O governante, que preside à coligação de centro-direita, afirmou que a Suécia tem de enfrentar o facto de as pessoas estarem a viver mais anos e que, para se manterem os actuais níveis de bem-estar social e de pensões, deverão trabalhar mais tempo.
(...)


Estes filhos-da-mãe não têm dois neurónios para pensar? Ainda não perceberam que quando falam em reformas estão a falar de pessoas com as mais diversas profissões? Ainda não perceberam que eles, enquanto vendedores de banha da cobra, podem debitar discursos até morrerem mas que os relojoeiros, os pedreiros, as mulheres de limpeza, os estivadores, etc, hão-de ter com essas idades limitações físicas que os impedirão de exercer capazmente as suas actividades? Ainda não perceberam que o ritmo com que se trabalha hoje não se consegue manter até essas idades? Ainda não perceberam que as capacidades intelectuais também diminuem, e que há riscos em manter no activo cirurgiões, motoristas e professores?

Caramba que isto está difícil de entender!

6 comentários:

Mário disse...

Apoiado :)

Claro que seria outra coisa se o regime fosse voluntário e com um suave faseamento a partir dos 60 - cada vez menos horas de trabalho diário. E seria outra coisa se limitassem as pensões a 2 ou 3 salários mínimos, digamos.

Dúvida: será que a Suécia já tem ameaça de banacarrota do sistema de pensões? Custa a acreditar, mas...

Gi disse...

Mário, embora do ponto de vista dos trabalhadores a redução do horário de trabalho e o trabalho em tempo parcial façam todo o sentido, seria preciso convencer os patrões, o que neste país e nesta conjuntura parece difícil.

Ah a Suécia, esse paraíso social que deixou falir a Saab e vender a Volvo aos chineses...

FanaticoUm disse...

Tem toda a razão Gi, há actividades profissionais em que, "obrigar" a manter as pessoas no activo, poderá ter consequências muito nefastas para terceiros. Sabemos bem do que falamos, por vivências próprias.

mfc disse...

A Direita não vê pessoas... vê números!

Gi disse...

Mfc, a esquerda, quando chega ao poder, não é melhor.

mfc disse...

Não temos tido lá grandes exemplos... mas não te esqueças que o Estado Social Europeu (que está a ser desmantelado) foi uma construção da esquerda!
Miterrand, Willy Brandt, Craxi, Wilson, Ollof Palme, Helmut Schmidt (e porque não Mário Soares) construíram uma ideia de Europa social e concretizaram-na.
Um beijo.