quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Muito sol na moleirinha

Notícia do Observatório do Algarve:

Tavira: Convento vira cinema
04-08-2010 7:25:00
Durante 11 dias a sétima arte toma conta do Claustro do Convento do Carmo, em Tavira, na 6ª Mostra de Cinema Não Europeu. Para ver há produções norte-americanas, francesas, brasileiras, italianas, argentinas, espanholas, alemãs e japonesas. (...)

É do calor, só pode ser. Já imaginaram se fosse uma Mostra de Cinema Europeu?

14 comentários:

Mário disse...

Gostava de ver os comentários se fosse "cinema não africano". Ui!

Mesmo infeliz. o título.

Gi disse...

Mário, não percebi o seu comentário. Importa-se de explicar a sua ideia?

Goldfish disse...

O título foi inventado por um americano. Daqueles que acham que os EUA são o mundo e o resto, arredores até à Lua (território, segundo dizem, também já conquistado).

Paulo disse...

Muito mal pensado, da parte do Observatório do Algarve, claro, que não explica as coisas como deve ser.

Dos filmes mencionados nenhum é exactamente alemão, italiano, espanhol ou francês. São co-produções.

Gi disse...

Goldfish, suponho que queres dizer que parece ignorância geográfica de americano?

Paulo, mesmo assim não pode dizer-se que são não-europeus, não achas?

Paulo disse...

Acho que está ali uma grande trapalhada. Co-produções hispano-argentinas, italo-brasileiras e franco-americanas são meio europeias. E a notícia, que não condiz com o nome da Mostra de Cinema, induz em erro se não lermos tudo, levando-nos a pensar que podemos ir ver filmes franceses, alemães, etc.

Gi disse...

Aí está, Paulo, é isso mesmo.

Goldfish disse...

Sim, Gi, estava a brincar com a ignorância geográfica de muitos norte-americanos. Sendo que eu também não sei dizer em que parte dos EUA fica a Pensilvânia ou o Utah, por exemplo, e cada um destes estados deve ter o mesmo tamanho de alguns países europeus. Enfim, piadas generalizantes.

Mário disse...

Gi,
desculpe só agora poder responder. Parece que fui muito sintético.:(

Só queia dizer que "não europeu" é um disparate. Faz sentido cinema não legendado, cinema não pornográfico, etc; não europeu é exclusão sem critério a não ser ser anti-europeu. É de quem acha a cultura europeia "velha", culturalmente imperialista. Só que isso cai bem em certos meios que preferem o castrismo, o chavismo e outros.

Pergunto-me: se alguém fizesse um ciclo de cinema não africano, não se levantaria um coro de protesto contra uma expressão tão infeliz, racista se calhar?

Gi disse...

Goldfish, Mário, obrigada pelas vossas explicações: agora percebi.

Goldfish, pois é, as piadas muitas vezes lidam com estereotipos, razão por que se tornam politicamente incorrectas. Desde que percebamos isso e guardemos as devidas proporções, podemos continuar a rir, concordas? :-)

Mário, ainda por cima grande parte do cinema que nos dão a ver em Portugal é americano... E a propósito, já reparou que na Fnac os expositores de cinema asiático só têm filmes de artes marciais? Como se Bollywood, por exemplo, não existisse!

Paulo disse...

Lembro-me de que há uns tempos apareceram várias colecções de filmes indianos e japoneses na Fnac. Actualmente não sei - é sítio que frequento cada vez menos.

Gi disse...

Verdade, Paulo? Já em tempos fiz um post sobre a ausência de filmes indianos na Fnac, e nunca lá vi nada disso, mas pode depender das lojas. Eu continuo a frequentar - é o que há por aqui, se não quiser mandar vir tudo da amazon.

Paulo disse...

Na Fnac do Chiado havia filmes do Ozu, do Mizoguchi e outros.

Gi disse...

Boa. Já não vejo um filme japonês há anos.