sábado, 2 de abril de 2011

Maestrinho

Este clip veio por email, e deixou-me a sorrir como uma tonta, porque o miúdo é tão engraçado, gosta tão obviamente da brincadeira, passou tantas horas dos seus poucos anos de vida a ver vídeos com grandes maestros e grandes orquestras, conhece tanto esta música e sabe tão bem o que está a fazer, que tomara muita gente grande.


Claro que houve muito mais pessoas a achar-lhe graça, e entre elas o maestro Misha Rachlevsky, director da Orquestra de Câmara Kremlin, que o convidou para "reger" a orquestra num concerto nos Estados Unidos. Deve ter sido uma revelação fantástica para o garoto, que anda a aprender violino - e desafina .

Oxalá esta paixão e esta alegria continuem pela vida fora. Muitas felicidades para o Jonathan Okseniuk.

9 comentários:

Moura Aveirense disse...

ESPECTACULAR! :) O Dudamel já tem sucessor LOL Ao ver isto, quem é que ainda tem coragem de dizer que a música clássica é chata? O miúdo estava tão divertido!

Fernando Vasconcelos disse...

sabem o mais interessante de tudo é o facto do miúdo gostar obviamente da música que está a ouvir o que prova ... que se se ouvir se pode gostar ... a questão é que na maioria dos casos a oportunidade que lhes é dada é zero ...

luisa disse...

Lindo! Já fiquei bem disposta para o resto da noite. :)

beijo de mulata disse...

É assim um Karajan, mas em divertido! É mesmo giro, o miúdo!

(um) beijo de mulata

Ludmila Ciuffi disse...

Que graça, Gi, paixões duradouras começam cedo... e o garoto mostra com energia contagiante que reger uma orquestra e coçar o nariz nada têm de incompatível!

mfc disse...

Que giro!
São estas pequenas coisas que nos vão fazendo sorrir!

io disse...

Oh Gi que delícia, mas que absoluta delícia. Só te digo que com as agruras que atravessamos isto é verdadeiro serviço público.
E que bem que ele desafina! :-DD

Paulo disse...

Se Jorge Sampaio tivesse tido uma oportunidade destas poderia ter sido um grande maestro. Ele gostava de dirigir orquestras invisíveis.

Helena disse...

estou com a io e não abro: uma delícia!