sexta-feira, 6 de julho de 2007

Against the Ropes

Ontem vi um filme na televisão (coisa rara), com a Meg Ryan a fazer a agente de um boxeur.
Mais uma vez me deparei com o que me é completamente incompreensível, o prazer na violência... dos outros.
Os boxeurs são os gladiadores do pós-1900. As armas são diferentes, mas a ideia é a mesma, e o treino provavelmente semelhante. De igual modo são o lumpen e de igual modo têm fãs de todas as classes sociais, sobretudo na América, penso eu, onde o box é muito mais apreciado que noutros lados do mundo. Pode-se sem dúvida estar atento e admirar a técnica dos lutadores, e eles são, ao contrário dos touros, dos cães e doutros intervenientes em combates violentos, humanos com consciência do que estão ali a fazer.
Por esse motivo, antes um combate de box do que uma tourada ou uma luta de cães ou galos.
Mas o que me faz confusão e me faz sentir que eu e os fãs do box pertencemos a subespécies diferentes da humanidade é o prazer e a naturalidade com que as pessoas sentadas na assistência aplaudem, encorajam ou apupam as duas pessoas que no ringue se destroem mutuamente ao ponto de acabarem de cara inchada, nariz partido, olhos fechados, lábios feridos, incapazes de se levantarem.
Como é possível ser agente de um boxeur? Como é possível ser amigo de um boxeur?

5 comentários:

CB disse...

Sou mais um que então pertence à subespécie diferente da raça humana. A não ser o Mike Tyson que esse pertence a uma outra subespécie que nem sei se considero raça humana...acho o box o desporto mais justo que existe( se é de pancadaria e masoquismo que falamos).A arte é modernamente chamada de "pugilismo", que tem origens diversas como, no latim, em pugil, que significa " lutador com cestus"(que eram um conjunto de correias de couro, placas de ferro e chumbo que guarneciam os punhos dos lutadores romanos da antigüidade), ou em "pugillus", que significa "punho fechado", em forma de soco. Não passa de uma arte marcial que somente e supostamente usa os punhos. Não como o Mike Tyson que usa dentes para arrancar orelhas aos adversários...

lm disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lm disse...

Discordo da conclusão final uma vez que o instinto da sobrevivência "obriga" todos os seres vivos à confrontação. O "júnior" enfrenta com coragem os intrusos que ousem ameaçar o território. Se os animais usam "armas" inatas, a velocidade, o veneno, o mimetismo, etc, o homem criou utensílios e passou a exibir os seus dotes em espectáculos angariando assim bens.
Se o agente é um saprófito do evento e/ou do esforço e perigo que o outro corre este limita-se a procurar sobreviver da forma mais simples que lhe é possível.
Saudações
lm

Gi disse...

Agradeço muito os vossos comentários; permitam-me responder.

Em primeiro lugar, as artes marciais destinam-se à defesa ou ataque em caso de confronto real mas em espectáculos desportivos não têm como objectivo magoar o adversário. Isto é verdade tanto para as artes orientais como para a esgrima, por exemplo. No box a intenção é magoar mesmo.

Em segundo lugar, uma coisa é a confrontação para sobrevivência, para defesa territorial, etc, outra é o espectáculo de agressão mútua sem conflito real, apenas para divertimento de seiscentos macacos sentados a assistir.

Antonio disse...

O box ou pugilismo pode ser considerado um desporto? Não estejamos com subterfugios. O objectivo do box é criar lesões, ainda que momentâneas, no aversário. Ninguem fica KO com as caretas do adversário. Fica-se ko pela interrupção das funções normais do cérebro causadas pelo impacto de socos violentos no crânio. Hoje em dia a decisão de ligar ou desligar aparelhos de suporte de vida tem a ver com a morte cerebral. O cérebro não é própriamente uma costela ou uma canela. Posso ficar sem um rim, sem um pulmão ou sem as pernas. Mas no dia em que ficar com o cérebro gravemente lesionado já não serei eu. E repito: o objectivo do box é castigar o mais duramente possivel o cranio do adersário. A esgrima é tambem uma arte marcial. Mas evitando ao maximo criar lesões ao adversário.O Rugby é um desporto muito viril. Mas com um profundo respeito pela integridade fisica do adversário. Para além de tudo o desporto deve ter uma profunda vertente ética e ser um bom exemplo. Além que deve ser uma actividade salutar. Box um desporto? Basta ver o estrato social que está na origem da grande maioria dos pugilistas.

A violência é sempre um acontecimento lamentável. É legitimo um Junior defender o seu território se o sente ameaçado. É legitimo a qualquer ser, junior ou senior defender a sua casa de intrusos. Ou defender sua familia.
Mas a violência deve ser um ultimo recurso. O box é violência gratuita; gratuita, não é bem assim porque normalmente é praticada a troco de dinheiro. É a vontade de agredir o mais possivel alguem contra a qual nada nos move. É precisamente o contrário do que um junior faz. Não há comparação possivel